Em bloomberg / mercados

Tonon contrata Blackstone e Davis Polk para reestruturação, dizem fontes

Reestruturação poderia buscar novos financiamentos para a Tonon e há pelo menos um investidor em negociações avançadas com a empresa

Colheita de cana
(Bloomberg)

(Bloomberg) – A Tonon Bioenergia SA, produtora brasileira de açúcar e etanol, contratou a firma de investimentos Blackstone Group LP para assessorá-la em uma possível reestruturação da dívida, segundo duas pessoas com conhecimento do assunto.

A companhia também assinou com o escritório Davis Polk Wardwell LLP, com sede em Nova York, para atuar como seu consultor jurídico para negociações com os detentores de bonds garantidos e não garantidos, de acordo com uma das pessoas. As fontes não podem ser identificadas porque a informação é confidencial.

A reestruturação poderia buscar novos financiamentos para a Tonon e há pelo menos um investidor em negociações avançadas com a empresa, disse uma das pessoas. A Tonon tem aproximadamente R$ 250 milhões (US$ 83 milhões) em dívidas de curto prazo com 11 bancos e US$ 530 milhões em dívidas emitidas no exterior.

Peter Rose, porta-voz da Blackstone, não quis comentar. O gerente de relações com investidores da Tonon, Marcelo Miyake, e a porta-voz da Davis Polk, Susan Peters, não responderam aos pedidos de comentários feitos por telefone e por e-mail.

Os bonds da Tonon da emissão de US$ 300 milhões para 2020, de 9,25 por cento, perderam mais de 80 por cento desde o pico de julho e foram comercializados na quinta-feira a cerca de 13 centavos de dólar, uma queda diária de 3 por cento.

O mandato da Blackstone foi relatado anteriormente pela agencia de noticias especializada em dívida REDD Intelligence.

Rebaixamento

O rating de crédito da Tonon foi rebaixado um degrau, para CCC, sete níveis abaixo do grau de investimento, pela Fitch Ratings na quarta-feira. A Fitch mencionou preocupação com a liquidez de curto prazo da empresa com sede em Bocaina, São Paulo, e também com os crescentes riscos de refinanciamento devido à incapacidade de gerar fluxos de caixa livres positivos.

“A Tonon está encontrando dificuldades para rolar suas obrigações com vencimento através de novos empréstimos de longo prazo porque a atividade de empréstimos bancários no setor tem estado focada em empréstimos de curto prazo”, disse o analista Claudio Miori no relatório.

Os produtores brasileiros de açúcar e etanol vêm tendo dificuldades porque uma queda dos preços do açúcar para o menor valor em seis anos após a pior seca em oito décadas e o limite imposto aos preços do etanol causaram estragos na capacidade dos produtores de cumprir suas obrigações. Desde 2011, 47 usinas de etanol e açúcar fecharam e 70 estão sob recuperação judicial, de acordo com a Unica, grupo do setor da cana-de-açúcar do Brasil.

O calvário da Tonon vem na sequência dos calotes do Grupo Virgolino de Oliveira SA em janeiro e da Aralco SA Açúcar e Álcool em março de 2014.

 

Contato