Blog InfoMoney

Investimentos Internacionais

Em blogs / investimentos / investimentos-internacionais

Maior investidor de commodities do mundo tem uma preferida novamente: o urânio

Da última vez, seus retornos foram extraordinários; dessa vez, ele espera mais...

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Urânio
(Shutterstock)

Semana passada tive o prazer de conversar com o maior investidor do setor de commodities da atualidade: Rick Rule. Publiquei a conversa no podcast da L2 Capital e ela está disponível aqui.

Rick é um lendário investidor que ficou multibilionário investindo em ações de empresas de commodities que estavam fora do foco dos investidores. Seu maior retorno ocorreu há cerca de 15 anos, com ações de mineradoras de urânio – e ele está apostando no setor pesadamente mais uma vez.

Ele contou que o pior dos seus investimentos no setor de urânio gerou um retorno de 22 vezes (não 22%, mas 22x) o valor investido. Esse foi o pior deles. O melhor foi com as ações de uma mineradora australiana, que saíram de apenas AUD 0,01 e foram para AUD 10, um retorno de 1.000x! Para se ter ideia do que isso representa, um investimento nessas ações de apenas US$ 10mil se transformaria em US$ 10 milhões!

A conversa foi muito interessante e valiosa, e Rick vê similaridades grandes entre o último bull market na commodity e hoje, com um acréscimo importante: o que existe hoje tem muito mais potencial do que o que havia há 15 anos, quando ele fez fama e fortuna.

Segundo ele, as similaridades são óbvias: o preço do metal está bem abaixo do custo de produção, ninguém quer saber de explorar e minerar urânio (de acordo com Rick, é a commodity mais detestada do mundo), há uma série de projetos de construção de reatores nucleares em andamento e o mundo precisa de mais energia e de fontes limpas.

Os dois aspectos que ele disse serem diferentes hoje em relação ao último bull market são o fato de estar havendo destruição de oferta e o de haver aumento real da demanda.

Isso é bastante interessante, porque um bull market causado por destruição de oferta, ao contrário daquele causado somente pelo aumento na demanda, é potencialmente mais duradouro e capaz de dar maiores retornos.

Isso é de fácil dedução, já que não é simples e rápido transformar um depósito em mina e começar a produzir o metal. São necessários mais de 10 anos para que um depósito se transforme em uma mina e comece a operar em países desenvolvidos.

Obviamente, partindo do pressuposto de que existe um depósito já descoberto e com potencial para se transformar em uma mina, senão o tempo fica ainda mais distante e o projeto ainda mais caro. McArtur River Mine, sobre a qual falarei abaixo, demorou 11 anos para iniciar a produção.

A segunda diferença também é bem importante. Na época do último bull market, somente o potencial de aumento da demanda fez com que os preços subissem bastante. Após uma alta substancial nos preços, houve ainda uma inundação na maior mina de urânio do mundo, a McArthur River. Sem a produção dela e com o potencial aumento na demanda, os preços foram para a estratosfera.

Hoje temos também a desativação de McArthur River (a coincidência não poderia ser maior!) e, além do potencial aumento na demanda, há um real aumento na demanda, com mais reatores em operação hoje do que nunca antes na história. Além disso, também há hoje o maior número de reatores sendo construídos, planejados e propostos do que em qualquer época anterior.

Mais ainda, um dos maiores fornecedores de urânio do mundo, o programa Megatons to Megawatts, chegou ao fim e com ele a extinção de um programa de fornecimento de 15 mil toneladas de urânio para os reatores nucleares.

E, como se não faltassem boas notícias , ontem mesmo a Rio Tinto anunciou que irá cessar a produção de urânio de sua mina Ranger, no norte da Austrália. Essa mina produziu 2 mil toneladas (4 milhões de libras) em 2018.

A tese de urânio é realmente bem simples: uma commodity sendo negociada a menos do que a metade do custo de produção, aumento significativo na demanda e destruição de oferta. E, apesar da alta de mais de 40% no preço da commodity em 2018 desde as mínimas, registradas em abril, as ações de algumas mineradoras ainda não subiram. Investimento não fica muito melhor que isso.

Rick Rule fez fama e fortuna no último bull market e está apostando pesado novamente no setor. Com todos os fundamentos a favor, fica difícil discordar.

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Marcelo López

Marcelo López tem certificação CFA, é gestor de recursos na L2 Capital Partners, com MBA pelo Instituto de Empresa (Madrid, Espanha) e especialização em finanças pela principal escola de negócios da Finlândia (Helsinki School of Economics and Business Administration). Atuou como Gestor de Carteiras e de Fundos em grandes gestoras internacionais, tais como London & Capital e Gartmore Investment Management.

Contato