Blog InfoMoney

José Carlos Carvalho

Em blogs / economia-e-politica / jose-carlos-carvalho

Exterior pode reduzir ritmo, mas não evitará ânimo da bolsa brasileira em 2019

Apesar do vento contrário do cenário internacional, políticas locais para a retomada do equilíbrio macroeconômico devem impulsionar os ativos brasileiros em 2019

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Brasil
(Shutterstock)

Milton Friedman foi o primeiro a observar que a política monetária “opera com lags longos e incertos”. O desempenho recente da economia americana (principalmente no que se refere aos mercados) comprovou isto mais uma vez. 

O Fed iniciou a alta nas taxas de juro americanas em dezembro de 2015. Paradoxalmente, este movimento se iniciou em um ambiente de afrouxamento das condições financeiras – redução dos spreads de crédito, alta nas bolsas, baixa volatilidade e até mesmo enfraquecimento do dólar ao longo de 2017. Foi apenas no início de 2018 que os efeitos contracionistas da política monetária apareceram e vêm se tornando mais intensos desde então - a exemplo da queda recente na bolsa americana.

As condições financeiras, anteriormente frouxas, se transformaram rapidamente num forte aperto monetário, o que pode levar a uma redução do crescimento americano em 2019.  Embora não possamos afirmar que uma recessão é iminente, temos que lembrar que as duas últimas recessões começaram de forma semelhante – o furo da bolha da Nasdaq em 2000 e do Subprime em 2007.

No momento estamos passando por um processo de correção que não sabemos como irá terminar.  Caso persista, sabemos que com a queda no preço dos ativos, os consumidores americanos se sentirão mais pobres e reduzirão o consumo.  Se a percepção de desaquecimento se alastrar, o nível de investimento produtivo das empresas será afetado – por que investir mais, se há medo de que uma recessão esteja chegando?

De fato, essa piora generalizada nas expectativas de crescimento pode resultar em uma recessão. Felizmente o nível atual de crescimento da economia americana ainda é bastante elevado. Isso aumenta a probabilidade de que o processo que descrevemos acima resulte numa queda do crescimento sem que haja recessão no horizonte próximo.

Em resumo, estamos vendo na economia americana uma briga entre duas poderosas forças antagônicas: a força expansionista do pacote fiscal de Trump e a força contracionista da política monetária do Fed. Dessa briga devemos esperar dois prováveis desenvolvimentos ao longo de 2019. O Fed deve moderar o aperto monetário, o que contribuiria para a estabilização da economia americana. Por outro lado, o impulso fiscal deve perder força a partir de 2020, com a consequente piora das expectativas de crescimento. Certamente teremos volatilidade à frente!

A esse ponto cabe uma pergunta retórica: por que o Fed estava subindo as taxas de juro? A resposta é óbvia: como a economia americana estava crescendo acima do seu potencial e a taxa de desemprego estava abaixo da taxa natural, poderia haver uma alta na taxa de inflação num futuro não muito distante.

O objetivo declarado do Fed foi cumprido e a economia americana está no limiar de desaquecer. Por que a surpresa então? O motivo são os lags longos e incertos da política monetária. Quando “menos se espera” os efeitos cumulativos de três anos de alta de juros e contração do balanço do Fed aparecem. Como dizia Rudiger Dornbusch, o ciclo econômico nunca morreu de “morte-morrida” - foi sempre assassinado pelo Fed. Como argumentamos acima, ainda é cedo para decretar o fim deste ciclo.

Essa mudança no cenário internacional certamente configura, a princípio, um cenário adverso para as políticas acertadas que o Brasil promete adotar nos próximos meses e anos. Mas, apesar de requerer maior cuidado, esperamos que os mercados reajam bem no Brasil à retomada do equilíbrio macroeconômico.  O Brasil está numa fase do ciclo completamente distinta dos demais países do mundo. Estamos saindo de uma profunda recessão com elevada capacidade ociosa e taxa de desemprego de dois dígitos.  O resto do mundo se encontra perto do final do ciclo, com baixa capacidade ociosa e taxas de desemprego abaixo da taxa natural em vários países. Essa diferença já foi sinalizada em alguns mercados. O desempenho positivo recente da bolsa brasileira, se comparado à forte queda da bolsa americana no mesmo período, é um exemplo.

Outra diferença importante poderá ser vista na política monetária. O Brasil deverá observar um efeito similar ao americano, mas em direção diametralmente oposta. A queda na taxa de juro no Brasil - de 14,25% para 6,5% ao longo de 2017/18 - praticamente não levou a nenhum efeito significativo sobre o crescimento do PIB brasileiro até o momento.  A incerteza eleitoral, a necessidade de retomar o equilíbrio fiscal e o consequente aperto de crédito dos bancos públicos certamente colaboraram para que a defasagem da política monetária fosse mais longa nesse ciclo. 

Invista na bolsa com a ajuda da melhor assessoria do Brasil: abra uma conta na XP - é de graça!

No entanto o novo direcionamento da política econômica no Brasil deve impulsionar o “animal spirit” empresarial e certamente fará com que o crescimento econômico brasileiro se acelere em consequência de todo o estímulo monetário do passado recente.  Adicionalmente, com a perspectiva de um ajuste fiscal sustentado, deveremos observar uma queda ainda maior nas taxas de juro de longo prazo, potencializando o vento a favor da política monetária brasileira.

A bolsa brasileira pode se beneficiar de diversas maneiras desse novo cenário.  O maior crescimento do PIB deve levar a uma alta nos lucros das empresas. Com os efeitos defasados positivos da política monetária no Brasil, é provável que a taxa de crescimento da economia surpreenda positivamente nos próximos anos, levando a uma geração de lucro das empresas acima daquela que é hoje esperada pelo mercado. 

A bolsa também deve se beneficiar da queda nas taxas de juro de longo prazo, com a redução na taxa de desconto dos lucros futuros – em outras palavras, com menos juros teremos “múltiplos” mais altos. A perspectiva de privatizações e uma gestão eficiente das empresas estatais devem ajudar na boa performance da bolsa de valores. 

A perspectiva de privatizações e retomada de um crescimento forte também deve intensificar a entrada de investimento estrangeiro no Brasil. Esse aumento deve se dar tanto pela via do investimento estrangeiro direto (FDI) quanto pelo investimento em carteira (bolsa e renda fixa).  No passado o investimento em carteira no Brasil teve uma participação significativa em renda fixa em função de taxas de juro elevadas. 

No futuro é provável que a participação do investimento em bolsa seja mais significativa – até mesmo pela redução nas taxas de juro no Brasil. Dessa forma, partindo de uma balança comercial superavitária acima de US$ 60 bilhões por ano e com um baixo déficit em conta corrente, uma aceleração do investimento estrangeiro no Brasil deve levar a uma apreciação do real. 

Roberto Campos costumava dizer que “o Brasil não perde uma oportunidade de perder uma boa oportunidade”. De fato, ao descrevermos o cenário acima, é difícil não lamentar que toda a correção de rumo macroeconômico que está sendo feita agora não tenha sido feita antes, quando a liquidez internacional era abundante.

Mas, apesar do cenário internacional mais adverso, ainda há tempo para reverter o conjunto de desequilíbrios que fizeram a dívida pública crescer exponencialmente. A retomada do crescimento local certamente será o catalisador para o início de um ciclo virtuoso com externalidades positivas para diversos setores. O aumento da arrecadação e a melhora do desequilíbrio são algumas delas.  O ambiente externo será um vento contrário que pode reduzir a velocidade do ajuste, mas certamente não alterará a direção.

Invista na bolsa com a ajuda da melhor assessoria do Brasil: abra uma conta na XP - é de graça!

 

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

José Carlos Carvalho

Ph.D em Economia pela Universidade de Yale, Diretor do Instituto de Estudos de Política Econômica.

Contato