Blog InfoMoney

José Carlos Carvalho

Em blogs / economia-e-politica / jose-carlos-carvalho

Os desafios econômicos do governo Bolsonaro

Três grupos disputam o direcionamento do governo Bolsonaro. Investidores devem esperar mais clareza sobre o direcionamento final antes de fazer apostas relevantes no mercado.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Jair Bolsonaro
(Valter Campanato/Ag. Brasil)

Na última eleição o país viveu uma guerra épica, uma luta entre São Jorge e o dragão. Tendo derrotado o dragão, os diferentes grupos do lado vencedor se perguntam agora: o que fazer com São Jorge?  É mais ou menos essa discussão que estamos observando no momento na formação do governo Bolsonaro.

Existem pelo menos três grupos principais que se uniram para derrotar o dragão: o grupo dos economistas, liderado por Paulo Guedes; o grupo dos militares, liderado pelo General Mourão; e o grupo dos políticos, com Onyx Lorenzoni.  A luta contra o PT era a motivação que os unia.  Sem o inimigo comum, as diferenças entre os grupos começam a sobressair.

O mercado financeiro toma a agenda do grupo de Paulo Guedes como sendo a agenda de Bolsonaro. Eu tive a oportunidade de trabalhar com Paulo Guedes por mais de 10 anos e sou testemunha do seu brilhantismo, da precisão do seu diagnóstico, e da enorme energia para promover com clareza a sua agenda de trabalho.  Mas, apostar que a agenda de Bolsonaro será a agenda de Paulo Guedes pode ser um engano, ainda que eu torça para isso. Dois exemplos recentes sugerem alguma preferência pelas ideias dos grupos militar e político do seu governo.

Bolsonaro se diz a favor da reforma da previdência.  Mas -- sempre tem um “mas” -- sugere elevar a idade mínima de 60 para 61, talvez 62, anos.  Se isso acontecer, a reforma da previdência geraria uma poupança mínima.  Quando fala isso, Bolsonaro se apoia no grupo político: Lorenzoni disse no debate na Câmara de Deputados para Marcos Lisboa e Fabio Giambiagi que eles eram “desonestos intelectuais” por dizer que havia um problema na previdência.  Na visão de Onyx, o problema vem das pensões rurais e das pensões assistencialistas que foram incluídos na previdência. Num exercício de tautologia diz que se tirar essas despesas, o déficit some.  Brilhante, mas quem vai pagar essas despesas? Dessa forma a parte política do governo trabalha para não aprovar a reforma esse ano, e também gostaria de no ano que vem enviar a pauta dos armamentos e direitos civis com prioridade para o congresso.  Assim a previdência iria sendo empurrada com a barriga para um futuro distante.

Outro exemplo em que Bolsonaro parece coincidir com Paulo Guedes, mas na verdade diz algo diferente, é na questão das privatizações. Nesse caso Bolsonaro se alinha com os militares e diz que não pode privatizar setores estratégicos, ou seja, Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Eletrobras. Segundo Bolsonaro, “vamos privatizar as 50 empresas que foram criadas no governo Lula”. Ótima ideia para estancar uma fonte de despesas, mas nem de perto um montante relevante para abater a dívida pública como quer Paulo Guedes.

Não existe menor dúvida que paramos de caminhar rumo ao precipício e começamos a caminhar na direção certa.  Mas não podemos confundir esse fato com uma crença ingênua de que o governo Bolsonaro terá a agenda ideal proposta por Paulo Guedes.  Por isso, me parece adequado esperar um pouco mais para ver em janeiro de 2019 qual será a cara das propostas que Bolsonaro enviará para o Congresso – certamente uma média das opiniões dos três grupos que descrevemos acima.  Caso o projeto final mantenha o espírito original do programa liberal, tenho certeza que o mercado brasileiro entrará num mercado de alta de vários anos. Esperar mais um mês para ter certeza disso vai sair barato. Rapadura é doce, mas não é mole!

Quer investir em ações? Abra sua conta na XP.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

José Carlos Carvalho

Ph.D em Economia pela Universidade de Yale, Diretor do Instituto de Estudos de Política Econômica.

Contato