Empresas brasileiras gastam 2.600 horas por ano pagando impostos

Ranking elaborado na América Latina mostra que as taxas de impostos corporativos no Brasil são de 34%, enquanto no Chile é de 18,5%

Por Edilaine Felix
 08 out, 2012 08h58
impostos - contabilidade - calculadora
(Getty Images)

SÃO PAULO - O Brasil é o pior lugar da América Latina para empresas que precisam pagar impostos. Com sistema tributário falho, o País ficou na lanterna pelo segundo ano consecutivo no ranking que engloba 18 países da região elaborado pela “Latin Business Chronicles’s”. As empresas levam 2.600 hora por ano pagando taxas.

O ranking leva em consideração quatro fatores: impostos corporativos, impostos como porcentagem de lucros e o maior número de horas gastas para pagamento anual de impostos.

De acordo com a consultoria KPMG, as taxas de impostos corporativos no Brasil são de 34%, segunda mais alta depois da Argentina e de Honduras, com 35% e a mesma taxa da Venezuela. A média regional está em 28,2%.

Em horas
A complexidade do sistema tributário brasileiro pode exigir dos contribuintes 2.600 horas por ano, ou 180 dias, para pagar imposto, segundo dados do Banco Mundial. O indicador tempo é que derruba o Brasil e o coloca na pior colocação, pois em Honduras, são necessárias 224 horas por ano e na Argentina, 415 horas. 

Esse número é cinco vezes maior que a média da América Latina e o pior entre 183 países analisados pelo Latin Business Chronicles’s. Os dados referem-se ao primeiro semestre deste ano.

Melhores e piores
Brasil, Argentina e Venezuela são “pequenos pesadelos tributários para os empresários”, classificados em 15º, 16º e 17º lugar na lista do índice fiscal. Do outro lado, Paraguai tem a taxa mais baixa da América Latina, 10% ,e o Chile é o mais bem classificado no índice e o segundo da região, com taxa de 18,5%.

 

COMENTÁRIOS

SOBRE O(S) AUTOR(ES)

Contato