Em negocios / inovacao

Aparelho brasileiro portátil faz exames médicos em minutos sem usar seringas

Apenas 10 minutos são necessários, em média, para análises das amostras, sejam de sangue, urina, fezes ou saliva

SÃO PAULO – Foi lançada nesta quinta-feira uma tecnologia que promete revolucionar – e baratear muito - os exames laboratoriais: o Hilab, da curitibana Hi Technologies. Trata-se de um aparelho portátil, do tamanho de uma base de liquidificador, capaz de ler, em 10 minutos, todas as informações médicas relevantes em um exame biológico – seja de sangue, fezes, urina ou saliva.

Em testes há cerca de um mês, o Hilab é capaz de fazer boa parte dos testes laboratoriais solicitados por médicos sem a necessidade de encaminhar o paciente a um laboratório. O próprio médico pode ter o aparelho e as cápsulas de coleta em seu consultório e realizar a leitura no momento da consulta, com custos muito mais baixos.

Atualmente, um paciente precisa ser encaminhado pelo médico a um laboratório, que realiza a coleta, envia a amostra para outro local que contenha a máquina capaz de ler as informações biológicas e, alguns dias depois, gera o resultado do exame. Depois de tudo isso, ainda é necessário retornar ao médico, que analisará esses resultados para o diagnóstico.

Com o Hilab, basta fazer um pequeno furo na ponta do dedo para coletar sangue, sem a necessidade de tirar vários tubos a partir da veia do paciente. O material biológico é armazenado em uma cápsula (foto abaixo) a partir da qual será feita, eletronicamente, a leitura.

“Os instrumentos de laboratório tradicionais, que nós também fabricamos, são muito grandes. Eles leem cerca de 600 amostras por hora e, por serem tão robustos, são também muito caros: para comprar um desses, é preciso fazer valer”, explica Marcus Figueiredo, diretor executivo da empresa. É daí que vem o grande diferencial da Hilab: “como nossa máquina é menor, precisa de menos material biológico”, conclui.

Além disso, a startup tem parcerias de peso que geram escala para o negócio: Positivo, Intel e Microsoft caminham ao lado da Hilab oferecendo dados, tecnologia de nuvem e outras necessidades. Com isso, o serviço tem potencial para alcançar mercados mundialmente.

Preços

Os valores também são muito atrativos. De acordo com Marcus, os médicos não pagarão nada pela plataforma em si, apenas pelos resultados das análises.

Lidas eletronicamente, as informações dos pacientes serão armazenadas na nuvem e enviadas a profissionais qualificados de saúde, que conferirão, assinarão os laudos e enviarão de volta ao consultório, tudo eletronicamente. É por esse serviço que o dono da plataforma estará pagando.

Uma tabela apresentada pelo CEO compara valores com laboratórios tradicionais. Para se ter uma ideia, um exame que custa R$ 70 reais atualmente será feito por R$ 25 pela Hilab.

Profissionais da saúde interessados já podem contratar o serviço através do site www.hilab.com.br. No site também são disponibilizados os exames que já podem ser realizados pela plataforma - de acordo com a empresa, essa seleção está crescendo exponencialmente. 

Hilab
(Paula Zogbi)

Contato