Em mercados / politica

Governo "revira suas gavetas" para encontrar uma boa moeda de troca pela Previdência

Até mesmo as centrais sindicais devem garantir alguns milhões nesta ofensiva de Temer

Michel Temer
(Beto Barata/PR)

SÃO PAULO - Em vista da dificuldade para aprovar a reforma da Previdência, o governo está "revirando suas gavetas" para encontrar uma boa moeda de troca para conquistar os 308 congressistas necessários para legitimar o texto no plenário da Câmara. Na noite da última quarta-feira (6), foi aprovado um pacote de projetos com impacto de R$ 30,2 bilhões nas contas públicas ao longo dos próximos 15 anos, mas Temer promete ainda liberar R$ 500 milhões para centrais sindicais e negociar mais R$ 3 bilhões para emendas parlamentares.

Depois de muita discussão nos últimos dias, a Câmara aprovou ontem o Refis (parcelamento das dívidas) de produtores rurais com Funrural (Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural) e de micro e pequenas empresas que fazem parte do Simples Nacional, que, segundo as estimativas, resulta em uma renúncia fiscal de R$ 22,8 bilhões em 15 anos. Além disso, a Câmara ainda aprovou projeto que prevê a concessão de R$ 1,9 bilhão a Estados e municípios para compensá-los pelas perdas com a Lei Kandir, que isentou de ICMS as exportações.

Para completar o "pacote de bondades" do governo, foi aprovado no Senado a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que eleva os recursos que serão destinados ao Fundo de Participação dos Municípios, com injeção adicional de R$ 5,5 bilhões aos seus cofres. Só com esses projetos, o governo sacrificou R$ 30 bilhões pela votação da Previdência - e ainda tem mais.

Opositores da reforma da Previdência, até mesmo as centrais sindicais devem garantir uma alguns milhões nesta ofensiva do governo. Segundo informações da Folha, os sindicatos poderão faturar R$ 500 milhões em verbas do imposto sindical que estavam retidas na União. Vale lembrar que o partido do líder sindical, Paulinho da Força (SDD), tem 14 votos na Câmara.

Fonte ainda não secou
No jantar de ontem como a base aliada, o líder do governo no Senado, Romero Jucá, afirmou que o governo está elaborando estudos para remanejar o Orçamento do ano que vem para atender às demandas dos parlamentares em troca dos votos, conforme aponta matéria do Estadão. Segundo os relatos, o líder do governo no Senado sinalizou que todos os recursos disponíveis em 2017 serão empenhados.

Contato