Em mercados

Contra inflação, Macri eleva piso de IR e apenas 10% dos argentinos pagarão imposto

A partir de 1º de março, só pagarão a alíquota aqueles que receberem mais de 30 mil pesos (cerca de R$ 8.000) por mês

SÃO PAULO - O governo do presidente Mauricio Macri trouxe mais uma medida para o mercado nesta quinta-feira (18) ao anunciar um aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda como forma de reduzir a inflação na Argentina. Com isso, a partir de 1º de março, só pagarão a alíquota aqueles que receberem mais de 30 mil pesos (cerca de R$ 8.000) por mês.

Até então, pagavam IR aqueles que recebiam pelo menos 15 mil pesos (cerca de R$ 4.000). A mudança é retroativa a 1º de janeiro. Apenas 10% da população tem hoje um salário superior aos 15 mil pesos. "Alguém que tinha um salário líquido de 21.300 pesos passará a ganhar 26.600 pesos", exemplificou o presidente.

Uma das ideias em se elevar o piso do IR é fazer com que os trabalhadores reduzam os pedidos de aumentos. Sindicatos defendem um incremento salarial de pelo menos 32%, o que impactaria na inflação do país. 

A alteração era uma promessa de campanha e acabou antecipada devido às dificuldades que o governo enfrenta na negociação dos reajustes salariais. A meta do governo é ter uma inflação menor de 25% neste ano. Em 2015, apenas na cidade de Buenos Aires, os preços avançaram 26,9%.

Mauricio Macri
(Site Oficial Mauriciomacri.com.ar)

Contato