Por Arthur Ordones Em mercados  22 mai, 2014 09h45

"Se eu não for candidato, quero ser vice de Aécio", diz Jair Bolsonaro

Deputado busca apoio para ser candidato pelo PP, quer incluir seu nome nas pesquisas de intenção de voto a partir de junho e pode embaralhar ainda mais o cenário eleitoral

Por Arthur Ordones Em mercados  22 mai, 2014 09h45

SÃO PAULO – Nada tem mexido mais com a Bovespa nos últimos meses do que as eleições presidenciais de outubro. Se já está claro para todo mundo que o favoritismo de Dilma não é tão grande quanto se imaginava até o ano passado, sobram dúvidas sobre as alianças partidárias e até mesmo sobre os nomes dos candidatos e vices. O "Volta, Lula", por ora, é a mudança que mais poderia ter impacto no cenário eleitoral e no preço das ações das empresas brasileiras. Mas outra surpresa que pode pintar por aí e embaralhar ainda mais a disputa é a candidatura de Jair Bolsonaro (PP-RJ), o político brasileiro mais identificado com os eleitores de direita. Bolsonaro está em seu sexto mandato como deputado federal (PP-RJ), mas está disposto a abrir mão de uma nova reeleição para se candidatar à Presidência. “Se eu me candidatasse a deputado, ganharia fácil pela sétima vez, com numero recorde de votos. Mas de que adianta ser deputado e ficar assistindo o país afundar? Tenho que fazer alguma coisa”, afirmou ele em entrevista ao InfoMoney.

Capitão do exército, Bolsonaro diz que falta coragem a Ciro Nogueira, presidente nacional do PP e senador pelo Piauí, para lançá-lo candidato, visto que ele pretende declarar apoio à Dilma Rousseff, do PT, mesmo à revelia de parte dos diretórios estaduais do partido. Membros da agremiação estão colhendo assinaturas para que a escolha do palanque só ocorra após a Convenção Nacional.

O deputado também entrou com pedidos nos institutos de pesquisa (Datafolha, Vox Populi e Ibope) para que seu nome comece a aparecer entre as opções nos levantamentos de intenções de voto da população. “O presidente [Ciro Nogueira] está me sabotando porque, se eu começar a pontuar, o partido terá dificuldades em manter os benefícios do governo” afirmou. “Mas se meu nome entrar, depois de pontuar x% na primeira rodada de pesquisa, na segunda eu vou triplicar esse número”, diz.

Por outro lado, Bolsonaro, ciente das dificuldades de viabilizar a candidatura pelo partido, manifesta uma vontade até então não-declarada: “se eu não conseguir me candidatar, quero ser vice de Aécio Neves [PSDB]. Claro, nada disso nunca entrou em pauta e nunca ninguém falou sobre isso, mas seria uma grande honra para mim”, declarou.

Confira a seguir os principais pontos da entrevista com Jair Bolsonaro:

InfoMoney - O PP deve apoiar o PT na próxima eleição presidencial ao invés de lançar sua candidatura. Como o sr., que é um grande crítico ao atual governo, avalia essa decisão?

Jair Bolsonaro – Avalio como algo muito grave, pois, sem comentar corrupção, que é a especialidade deste governo, tem a questão da ideologia. No ensino fundamental, 30 milhões de garotos são envenenados diariamente com a doutrina marxista, visto que eles pregam que o capitalismo é o inferno e o socialismo é o paraíso. Ou seja, para onde estamos indo? O governo do PT prioriza comércio com países da América Latina que fazem parte do Foro de São Paulo, ou seja, tem uma proximidade e parceria extremamente preocupante com ditadores, como Nicolás Maduro [Venezuela] e Fidel Castro [Cuba]. Então a questão ideológica é muito forte e, para quem é capitalista e liberal, isso é horrível. Considero muito ruim para a imagem do partido, mas infelizmente existem os interesses, os benefícios que ele recebe. Só para constar, eu nunca votei no meu partido.

IM - Como o sr., que é de uma direita mais conservadora, vê o liberalismo na economia?

JB – Eu tenho muitas propostas da direita liberal, apesar de ser conservador. Acho extremamente importante cortar essa carga tributária, sou totalmente a favor da meritocracia, do livre mercado... Mas claro que não é tudo, afinal, eu sou a favor de um governo autoritário. O governo não pode perder a mão e deixar tudo no [setor] privado, senão vira palhaçada. O problema não é estar na mão do governo, mas, sim, a forma como o governo administra. Eu não estou falando em intervir desenfreadamente e quebrar as empresas públicas, como o governo atual faz, mas em uma administração autoritária, porém, bem feita.

IM - Quais são as principais propostas no âmbito macroeconômico? Como presidente, o sr. seria menos intervencionista e mais ortodoxo na condução da política econômica?

JB – Eu vou estimular a produtividade. O consumo é consequência e isso vai diminuir a inflação... O foco tem que ser na produtividade, e não no consumo. É isso que está errado, falta meritocracia. Não podemos ficar pendurados nessas porcarias de programas assistencialistas. No Brasil, nós temos uma das maiores taxas de desemprego do mundo, mas não temos produtividade. Se quem trabalha não produz bens nem serviços, como vamos ter crescimento do PIB desta forma? Pode escrever, se a presidente for reeleita, vamos continuar indo para o mesmo caminho. A inflação vai continuar subindo e a carga tributária também. Vai ficar insustentável.

IM - O que o sr. pensa sobre privatizações? É a favor de privatizar a Petrobras, por exemplo?

JB – Não. Sou contra privatizações. No entanto, pior que privatizar é “PTizar”. Dá para manter no controle do governo, mas sem destruir as empresas, como o governo do PT fez com a Eletrobras, a Petrobras e muitas outras. Tem coisas que não dá para não privatizar. O setor de telecomunicações, por exemplo, não tinha como não ter sido feito, mas a privatização da Vale eu fui contra... Petrobras, eu sou contra. Mas, claro, se for para “PTizar”, prefiro que privatize.

IM - Outra crítica por parte do mercado em relação ao governo atual é a falta de autonomia do Banco Central. O que o sr. pensa em relação a isso? É a favor ou contra?

JB - Todo mundo, quando é oposição, é a favor, mas, quando entra lá, quer ter sua cota de participação. O que acontece é que o economista é igual a um técnico do futebol: quando acaba o jogo, ele fala o que estava certo e errado, mas, durante o jogo, ele pode fazer pouco. Sou a favor de uma forma hibrida: uma parte com autonomia e outra, não.

IM - Se eleito presidente, qual seria sua equipe econômica? O sr. já tem algum nome para o Ministério da Fazenda, por exemplo?

JB - Não tenho nenhuma equipe econômica até o momento... Não tenho nenhum nome. Na verdade, muita gente foge de mim. Eu sou meu marqueteiro, empresário, tesoureiro... Claro, tem o pessoal que trabalha comigo, que é muito bom, mas eu me viro sozinho. E, mesmo assim, segundo as pesquisas de internet hoje, eu seria eleito presidente. Eu já pensei em algumas coisas para alguns ministérios, mas não nomes. Por exemplo, qualquer pai ou mãe gostaria que seu filho estudasse em um colégio militar, então meu ministro da Educação vai ser um general do exército.

IM - O que o senhor pensa sobre o mercado financeiro? Quais seriam suas medidas em relação a isso? Tomaria medidas positivas para a Bolsa?

JB – Confesso que ainda não pensei em nada nesse âmbito. Aliás, eu nem entendo muito dessa área, afinal, ninguém é perfeito, né? Eu reconheço as minhas deficiências, sou humilde. Tenho uma falha nesse âmbito, mas irei estudar e estruturar isso melhor caso minha candidatura seja aprovada.

IM - Caso não se candidate, qual é o candidato com o qual o sr. mais se identifica? Para quem o daria seu apoio pessoal, independente da opinião do seu partido?

JB – O Eduardo Campos está um pouco tímido em suas propostas e estratégias enquanto o Aécio Neves já se mostra muito mais simpático e agressivo. Eu sou uma oposição muito melhor que qualquer um dos dois, mas, se eu não for candidato, simpatizo muito mais com o Aécio, que é o representante da direita atualmente. Se eu não conseguir me candidatar, quero ser vice de Aécio Neves. Claro, nada disso nunca entrou em pauta e nunca ninguém falou sobre isso, mas seria uma grande honra para mim.

IM - Por favor complete a frase: "se eu for presidente, o Brasil vai..."

JB – Ser respeitado no mundo todo. Nós deixaremos de ser uma piada, como somos hoje, e começaremos a ser vistos com respeito. Todos vão querer fazer negócio conosco.

Jair Bolsonaro
(Wikipedia)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Contato