Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa Futuro ameniza ganhos com dado forte nos EUA; dólar recua digerindo fala de Powell

Mercado digere também decisão do BCE em manter programa de estímulos até dezembro

Jerome Powell
(Flickr/Federal Reserve)

SÃO PAULO - Os contratos futuros do Ibovespa com vencimento reduziram os ganhos da abertura e subiam 0,03%, aos 72.975 pontos, às 9h38 (horário de Brasília) desta quinta-feira (14), após o resultado acima do esperado das vendas ao varejo nos EUA, alimentando a expectativa de que o Fed subirá os juros mais rápido do que o esperado, apesar do tom "suave" do presidente do BC dos EUA. Além disso, os investidores digerem positivamente a surpresa por parte do BCE (Banco Central Europeu) nesta manhã, que decidiu manter o programa de estímulos até dezembro.

As vendas ao varejo de maio nos EUA subiram 0,8% na passagem de abril para maio, enquanto a estimativa era de avanço de 0,4%, comprovando que a economia norte-americana está forte e gerando uma expectativa positiva para o resultado do PIB do segundo trimestre. Diante de mais um dado econômico forte, o mercado começa a precificar um aumento mais rápido dos juros pelo Fed, mesmo após Jerome Powell acalmar os ânimos dos investidores em sua coletiva de ontem após a decisão do BC dos EUA.

Ontem, o Fed elevou a taxa de juros para o intervalo entre 1,75% e 2% ao ano, mas surpreendeu ao sinalizar outras duas altas de juros até o fim do ano, totalizando quatro elevações no acumulado do período, uma a mais que o previamente esperado pelo mercado. No comunicado, o BC apresentou um tom mais otimista com o nível de atividade econômica e o desempenho da inflação.

Logo após foi realizada a coletiva do presidente do Fed, Jerome Powell, que acalmou os ânimos dos investidores ao não demonstrou preocupação quanto ao rumo da inflação, destacando que a recente alta nos preços do petróleo tem um impacto muito tímido sobre o nível dos preços e disse ser preciso descontar "fatores transitórios" da leitura de longo prazo do Fed. 

Com Powell sinalizando que a autoridade monetária não será excessivamente agressiva, os contratos futuros de dólar com vencimento em julho recuavam 0,56%, aos R$ 3,704, com os investidores na expectativa também por novas atuações do BC ao longo do dia. No pregão passado, para conter a disparada da moeda, a autoridade monetária vendeu 90 mil contratos de swaps cambiais na última quarta-feira, maior intervenção até agora.

Bolsas mundiais 

As bolsas europeias reverteram a queda e registram ligeira alta após a decisão do BCE em manter o programa de estímulos via compra de títulos públicos (Quantitative Easing) até dezembro, mas com reduções depois de setembro. Neste momento, o programa está previsto para durar até setembro no atual volume de 30 bilhões de euros. A partir dali, haverá redução para 15 bilhões de euros mensais no último trimestre do ano. Vale lembrar que o mercado precifica o fim dos estímulos já em setembro.

Na China, pesaram os indicadores macroeconômicos mais fracos do que se previa. A indústria da China produziu em maio 6,8% mais do que em igual mês do ano passado, mas analistas previam um avanço de 7%. Já no varejo, as vendas subiram 8,5% na mesma comparação, ante expectativa de acréscimo de 9,6%.  Outro fator que pressiona as ações na China é o fato de que os EUA poderão confirmar até amanhã a imposição de tarifas a cerca de US$ 50 bilhões em produtos chineses.

No mercado de commodities, os metais recuam em Londres após dados na China, enquanto o petróleo se sustenta acima de US$ 66 com baixa de estoques americanos.

Às 9h42, este era o desempenho dos principais índices:

*S&P 500 Futuro (EUA) +0,27%

*Dow Jones Futuro (EUA) +0,27%

*Nasdaq Futuro (EUA) +0,30%

*DAX (Alemanha) +0,42%

*CAC-40 (França) +0,69%

*FTSE 100 (Inglaterra) +0,17%

*Hang Seng (Hong Kong) -0,93% (fechado)

*Xangai (China) -0,17% (fechado)

*Nikkei (Japão) -0,99% (fechado)

*Petróleo WTI +0,39%, a US$ 66,90 o barril

*Petróleo brent -0,09%, a US$ 76,67 o barril

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian +0,74%, a 473,50 iuanes (nas últimas 24 horas) 

*Bitcoin +0,24%, R$ 25.110 (confira a cotação da moeda em tempo real)

Pré-sal e cadastro positivo

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira, por 281 votos a 109, o regime de urgência para Projeto de Lei que permite à Petrobras vender até 70% dos campos do pré-sal concedidos a ela por meio do regime de cessão onerosa.  Com o regime de cessão onerosa, Petrobras pagou diretamente à União, sem licitação, o direito de extrair petróleo desses blocos.

A Casa, por sua vez, encerrou a sessão da véspera após rejeitar requerimento de retirada de pauta do Projeto de Lei Complementar que torna obrigatório o cadastro positivo de consumidores, segundo a
Câmara Notícias. A matéria ficará para a próxima semana devido à queda do quórum em Plenário.

Notícias do dia

O noticiário sobre as alianças eleitorais seguem sendo o destaque nos jornais. Segundo a Folha, o pré-candidato do PDT à presidência, Ciro Gomes, corre o risco de ficar sem palanque em São Paulo, o principal colégio eleitoral do país. O PDT passou a admitir a ideia de se aliar ao governador de São Paulo, Márcio França (PSB-SP), que disputa a reeleição. Contudo, França já se comprometeu com o tucano Geraldo Alckmin

Enquanto isso, com a pré-candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, prestes a sair de cena, o DEM abre três frentes de negociação com outros partidos para oferecer seu apoio nas eleições de outubro, aponta o jornal O Globo. O deputado afirmou ontem que a aliança mais provável é com o PSDB.

Ainda no radar político, relatório elaborado pela Polícia Federal da Operação Cui Bono?, que mira desvios na Caixa, tem um capítulo somente para a suposta compra do silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB) e do delator Lúcio Funaro, pelo presidente Michel Temer, informa o Estadão. O documento cita que Temer incentivou a manutenção de pagamento ilícito a ambos; a defesa do presidente nega.

Radar corporativo

Os olhos do mercado nesta quinta-feira também ficarão voltados para a BRF, após o Valor Econômico e o Estadão informarem que  o Conselho de administração da BRF indicará Pedro Parente como presidente.Uma assembleia geral extraordinária foi marcada para esta quinta-feira, às 12h, para discutir o assunto.

Atenção ainda para a Eletrobras: mudanças marginais na resolução do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência foram publicadas no Diário Oficial e ressaltadas pela estatal em fato relevante. O novo texto reduz montante de conversão de dívida da Ceron de R$ 1,87 bilhão para R$ 1,83 bilhão, e aumenta montante de aumento de capital mínimo a ser realizado pelo novo controlador na empresa de R$ 241,1 milhões para R$ 253,8 milhões. Já a Kroton informa que a Saber entrou com pedido de companhia aberta na CVM.

Clear oferece a menor corretagem do Brasil; Clique aqui e abra sua conta

O Ibovespa Futuro é um bom termômetro de como será o pregão, mas nem sempre prevê adequadamente movimentos na Bolsa a partir do sino de abertura

Contato