Em mercados / acoes-e-indices

Repercutindo dados dos EUA, Ibovespa fecha em alta de 0,66%, aos 62.194 pontos

Índice registrou segundo dia seguido de ganhos após indicadores positivos, enquanto Grécia inspirou cautela após o retorno de uma possível moratória

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou novamente no campo positivo nesta quinta-feira (17), após ter registrado baixa no começo da sessão. O índice fechou com ganhos de 0,66%, aos 62.194 pontos, passando a registrar ganhos após a abertura do mercado dos EUA. O giro financeiro foi de R$ 6,69 bilhões. 

O mercado refletiu os números dos EUA, com a continuidade dos resultados corporativos, que novamente contou com números positivos, quanto os pedidos de auxílio-desemprego na última semana, que caíram mais que o esperado, e os dados sobre o setor imobiliário, que vieram melhor que o esperado. Entretanto, os números da atividade industrial na Filadélfia decepcionaram, ao mostrar queda na atividade.

Contribuindo para os ânimos do mercado nos EUA, esteve a fala do deputado republicano e ex-candidato à vice-presidência Paul Ryan, afirmando que o seu partido está considerando um aumento do limite da dívida norte-americana por um curto período de tempo. 

Além da agenda norte-americana, e a espera pelos dados da China, que divulgam à noite o PIB (Produto Interno Bruto) de 2012 e números sobre produção industrial e vendas no varejo. Já a Grécia joga um pouco de cautela no mercado, já que as conversas sobre uma possível moratória voltaram, refletindo em uma maior aversão ao risco no país.  

Marfrig registra forte alta 
Como destaque de alta, estiveram as ações da Marfrig (MRFG3), com ganhos de 7,11%, aos R$ 9,64, com a captação no exterior feito pela companhia animando o mercado, seguidos pelos ativos do JBS (JBSS3), com alta de 6,72% (R$ 6,83). Já os papéis da B2W Varejo (BTOW3) ocuparam o terceiro lugar, atingindo alta de 6,24%, aos R$ 16,85. Por sua vez, os papéis da Dasa (DASA3) subiram 4,07%, aos R$ 14,05, em sua terceira sessão de fortes volumes.

Enquanto isso, os ativos da OGX Petróleo (OGXP3) foram destaque de baixa, com perdas de 4,04%, aos R$ 4,99. Por sua vez, os papéis da CSN (CSNA3) tiveram baixa de 3,70%, atingindo os R$ 11,98, após a notícia de que ela estaria vendendo ativos da ThyssenKrupp. 

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 MRFG3 MARFRIG ON 9,64 +7,11 +13,68 55,91M
 JBSS3 JBS ON 6,83 +6,72 +13,83 34,91M
 BTOW3 B2W VAREJO ON 16,85 +6,24 -0,88 20,55M
 DASA3 DASA ON 14,05 +4,07 +6,52 69,08M
 RSID3 ROSSI RESID ON 4,62 +3,82 +1,54 15,79M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 4,99 -4,04 +13,93 282,70M
 CSNA3 SID NACIONAL ON 11,98 -3,70 +1,01 145,53M
 TRPL4 TRAN PAULIST PN 33,64 -2,91 +1,97 11,32M
 DTEX3 DURATEX ON 14,14 -1,53 -4,78 41,13M
 KLBN4 KLABIN S/A PN 12,95 -0,77 +1,25 56,36M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Neg 
 VALE5 VALE PNA 39,75 +0,18 523,15M 19.142 
 PETR4 PETROBRAS PN 19,71 -0,66 352,93M 19.962 
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 4,99 -4,04 282,70M 18.186 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 35,94 +1,70 269,79M 17.738 
 BBAS3 BRASIL ON 26,81 -0,19 210,10M 15.642 
 BBDC4 BRADESCO PN 38,11 +1,65 208,14M 15.802 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 13,80 +2,99 178,48M 19.794 
 CCRO3 CCR SA ON 20,11 -0,64 146,24M 5.757 
 CSNA3 SID NACIONAL ON 11,98 -3,70 145,53M 19.612 
 ITSA4 ITAUSA PN 10,52 +1,64 126,98M 12.370 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

BC mantém Selic em 7,25% ao ano
Por aqui o Copom (Comitê de Política Monetária) manteve na noite de quarta-feira a taxa Selic em 7,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. No entanto, a equipe econômica do Bradesco destacou que o comunicado justificou a manutenção dos juros por um longo período por conta da piora da inflação no curto prazo, uma recuperação econômica mais fraca que o esperado e a complexidade do ambiente internacional.

Com relação ao comunicado anterior, o Banco Central qualificou os dois primeiros itens. "Essa novidade indica, a nosso ver, que há um equilíbrio maior, daqui para frente, entre inflação e atividade, nos próximos passos do Banco Central", escreve o economista Octavio de Barros.

ações - corretores da bolsa - mercados
(Getty Images)

Contato