Em carreira / gestao-e-lideranca

Como uma jovem analista de dados pagou R$ 255 mil em dívidas em 3 anos

Ela viveu um tempo sem nem lembrar que tinha uma dívida - e sofreu as consequências  

Guen Garrido
(Reprodução)

SÃO PAULO - Todo mundo já passou por algum momento mais apertado, em que foi preciso tomar as rédeas da vida financeira para se reorganizar e não se afundar em dívidas. A americana Guen Garrido passou por uma situação parecida, e conseguiu se superar. Em entrevista ao InfoMoney, ela contou como quitou uma dívida de US$ 68.600, cerca de R$ 255 mil, em três anos e três meses.

Depois de se formar em psicologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) em 2007, Guen Garrido tinha US$ 40 mil, cerca de R$ 148 mil, em dívidas estudantis. "Naquela época, era o que dava para fazer para conseguir terminar a faculdade", explica. 

"Eu considerei fazer uma faculdade menos reconhecida pelo preço, mas o fato de eu ter entrado na UCLA foi um grande passo, considerando que eu fui a primeira pessoa da minha família a ir para a faculdade. Então pensava: 'Faça o que for preciso e quando tiver um emprego você paga a dívida", diz. Mas pagá-la não foi fácil quanto ela tinha imaginado.  

Ela era professora para crianças da pré-escola e ganhava apenas US$ 13 por hora, cerca de R$ 48, o que não era suficiente para pagar as contas. Então, deixou sua dívida em segundo plano. "Por um tempo, eu estava vivendo como se a minha dívida não estivesse lá. Parecia normal estar devendo muito dinheiro", conta. 

E assim ela seguiu até 2013, quando alguns eventos da vida a fizeram enfrentar sua dívida. Depois de terminar um relacionamento de cinco anos, ela saiu do apartamento que dividia com o namorado e se viu "tendo que descobrir as coisas por conta própria", diz. Mais tarde naquele mesmo ano, seu pai foi diagnosticado com câncer. "Essa notícia me derrubou. Foi quando percebi que não podia ajudar meu pai com o tratamento porque eu estava afundada em dívidas", lamenta.

Com o passar do tempo, aquela dívida da faculdade aumentou. Até o final de 2014, ela devia cerca de R$ 255 mil, graças a um financiamento de carro, alguns empréstimos pessoais e dívidas de cartão de crédito. Mas hoje ela estpa livre de dívidas. 

Como ela conseguiu a façanha?

Buscou conhecimento

A primeira coisa que a jovem fez foi começar a estudar sobre finanças pessoais com livros, podcasts, artigos e até vídeos no YouTube. Ela começou lendo um livro chamado  "The Total Money Makeover" ("Reformulação total do dinheiro", em tradução livre), de Dave Ramsey, que a ajudou a elaborar seu plano para sair do vermelho. Mas seu recurso favorito era o YouTube. "Todo dia eu selecionava vídeos para ouvir discursos motivacionais sobre dinheiro ou qualquer coisa sobre investimentos, empréstimos e crédito", diz. Começou a pagar a dívida no início de 2015. 

Durante os estudos ela aprendeu sobre o refinanciamento de empréstimos estudantis, uma estratégia que podia ajudá-la no momento. Ela refinanciou US$ 20 mil da sua dívida estudantil com uma empresa online de finanças pessoais especializada na modalidade, que permite diminuição de juros de uma dívida. Com isso, ela conseguiu reduzir a taxa de juros de 10% para 6%.

Elaborou um plano 

Depois de ler o livro de Ramsey, a jovem passou a adotar o "método da bola de neve" para pagar tudo. Com essa estratégia, você prioriza seus menores débitos, independentemente da taxa de juros. Para Garrido, isso significava começar com US$ 50, cerca de R$ 180, que ela devia a loja de departamentos americana Target.

A ideia é que ao pagar as contas mais baratas, você seja estimulado pela sensação de ver as dívidas desaparecerem. É como se estivesse rachando a bola de neve em pequenos pedaços para que aos poucos o impacto dela diminua, e isso vai ajudá-lo a ficar animado com o processo. E assim seguiu, depois de pagar as dívidas dos cartões de crédito, ela focou nos empréstimos pessoais e, finalmente, ela enfrentou sua maior dívida: o empréstimo estudantil pagando o quanto podia por mês. 

Ela definiu uma meta e acompanhou seu progresso

Uma parte fundamental do plano de Garrido era estabelecer uma data final como meta para acabar com seus débitos. "Eu acho que muitas pessoas pensam que nunca serão livres de dívidas, então nem tentam sair. Mas depois que você define algumas metas para pagar, você começa a pensar: 'Ok, eu posso fazer isso'", explica. 

Para acompanhar seu progresso, ela criou uma planilha do Excel que não apenas permitia que ela registrasse suas receitas e despesas, mas também dizia como sua data prevista mudaria se aumentasse seus pagamentos de dívidas em um determinado valor a cada mês. "Isso me motivou a encontrar maneiras de vencer essa data", acrescenta Garrido, que acabou pagando sua dívida nove meses antes do previsto. 

Ela acumulou uma renda extra

Em 2015, Garrido já tinha deixado o trabalho como professora e começou uma nova fase em um emprego como analista de dados em uma universidade online e passou a ganhar mais que antes. Mas ainda não era uma renda suficiente, então ela começou a trabalhar com aplicativos de compartilhamento de caronas como o Uber. 

"Eu fiz isso praticamente cinco noites por semana. Depois que eu saía do trabalho, eu me dava um tempo para relaxar em casa e então pegava o carro e ia fazer algumas horas de Uber - inclusive cheguei a trabalhar nos fins de semana", conta. 

Ela trabalhou com os apps de carona o ano de 2015 inteiro e conseguiu acumular US$ 10 mil na época, cerca de R$ 37 mil. Essa quantia foi direcionada quase completamente para a dívida. "Não tenha vergonha se você tiver que fazer um trabalho paralelo. Eu tive esse sentimento em um certo momento, mas valeu a pena", comenta. 

Além disso, qualquer outra quantia que entrava em sua conta, ela usava para abater a dívida. "Eu não melhorei meu estilo de vida. Se eu tivesse um dinheiro para comprar algo de Natal, eu usava para pagar a dívida. E os impostos também - a  restituição sempre ia direto para o que eu estava devendo".

Limitou seus gastos a US$ 300 

Além de gerar mais renda, Garrido diminuiu nos gastos. Ela começou diminuindo os preços em certos custos fixos. "Liguei para minha companhia de seguros de automóveis e negociei. Olhei para minha conta de telefone e descobri que estava em um plano antigo que custava mais do que o atual. Percebi que você precisa se atualizar sobre essas coisas e ver se há algo novo que possa lhe poupar dinheiro", conta. Dessa maneira, ela foi reduzindo custos fixos onde viu que era possível. 

Em seguida, ela focou em reduzir as despesas do dia a dia. "Eu defini que só tinha US$ 300 por mês para fazer tudo tirando os custos fixos. Mercado, gás, sair para comer e entretenimento", conta Garrido. Para garantir que ficasse dentro de seu orçamento, ela abriu uma conta bancária separada com apenas um cartão de débito e transferia US$ 300 para essa conta. Uma vez que ela passasse desse valor, ela não podia gastar mais até que seu próximo salário caísse. 

Enquanto Garrido estava gastando significativamente menos do que estava acostumada, não sentia que estava passando por dificuldades. Pelo contrário, via sua situação de gastar o limite que se impôs como quisesse. "Eu enxergava como espécie de dieta, que você poderia comer o que bem entendesse com uma certa quantidade de calorias".

Sua disciplina valeu a pena. Ao longo dos três anos e três meses, ela pagou uma média de US$ 1.800, cerca de R$ 6.600, por mês da dívida. Seu menor pagamento mensal foi de US$ 859, cerca de R$ 3.170, e o maior foi de US$ 3.418, cerca de R$ 12.600. "Esse valor mais alto foi no fim do ano, quando recebi um bônus da empresa. Usei o dinheiro e quase todo meu salário para pagar mais uma parte da dívida", explica. 

A última parcela foi paga em março deste ano e, claro, ela fez questão de comemorar. Tirou o dia de folga do trabalho, fez uma massagem e depois comprou uma balão preto gigante e encheu de confete verde. Ela pintou a palavra "dívida" em prata e estourou o balão para festejar o fim desse ciclo difícil.

Hoje, aos 32 anos, ela continua trabalhando como analista de dados e está oficialmente livre de dívidas, mas seus hábitos de consumo não mudaram muito. "Agora, eu me dou US $ 350 por salário para gastar", diz ela.

O dinheiro que era direcionado para sua dívida agora está focado em diferentes metas de poupança. Hoje, suas prioridades são: construir um fundo de emergência de US$ 10 mil e economizar para seu próximo casamento. Além disso, já pensa em metas de longo prazo, como comprar uma casa e economizar para a aposentadoria. "Mesmo que eu esteja livre da dívida, ainda há muito para se trabalhar", diz Garrido. 

Quer fazer como ela e alcançar a independência financeira? Abra uma conta na XP. 

Contato