https://cdn.ampproject.org/v0.jshttps://cdn.ampproject.org/v0/amp-story-1.0.js Brasil é o país mais complexo do mundo para se fazer negócios | InfoMoney

Brasil é o país mais complexo do mundo para fazer negócios

Veja o ranking global 

O ranking elaborado pelo TMF Group, empresa que presta serviços de contabilidade, impostos, entre outros, avalia o ambiente de negócios de 77 países e considera 290 critérios.

Depois do Brasil, França e México, ocupam o 2° e o 3º lugares do ranking, respectivamente. 

Os critérios de complexidade do ambiente de negócios são analisados em categorias como:

- legislação; - compliance; - procedimentos de contabilidade; -  tributação, - recursos humanos (RH); - e procedimentos de folha de pagamento.

Confira os 10 países mais complexos para se fazer negócios: 

1. Brasil 

2.  França 

3. México 

4. Colômbia 

5. Turquia 

6.  Indonésia 

7. Argentina 

8. Bolívia 

9. Costa Rica 

10. Polônia 

Segundo o relatório, entre as razões que fizeram o Brasil assumir a primeira posição estão: + A quantidade de camadas na gestão em termos de legislação (níveis federal, estatal e municipal têm poder legislativo substancial); + O regime de tributação, com impostos sendo cobrados em cada um dos níveis, fazendo com que as taxas tributárias variem de cidade a cidade e de estado a estado.

O estudo ressalta que embora haja reformas fiscais em andamento, como a reforma tributária e a do Imposto de Renda, elas são complexas devido às tensões entre os vários níveis de governo.  Assim, a estrutura descentralizada de poderes também dificulta o ambiente de negócios.     

Na outra ponta do ranking, os cinco países menos complexos para os negócios são: Curaçao (73°), Irlanda (74º), Ilhas Cayman (75º), Hong Kong (76º) e, por último, a Dinamarca (77º).  Os EUA estão em na 71ª posição.     

Atributos que poderiam fazer com o que Brasil melhorasse sua posição no ranking: + Mais agilidade na construção e execução de procedimentos; + Mais qualidade no suporte para as empresas; + Redução da instabilidade político-econômica para o investidor e busca por regime estável; + Maior aderência às normas internacionais de contabilidade (IFRS);