Em vale

Vale registra lucro líquido de R$ 3,187 bilhões no 2º trimestre

Resultado foi 283% maior na comparação com o mesmo período do ano anterior; por outro lado, houve queda de 46,07% na comparação com o primeiro trimestre

Vale Bloomberg

SÃO PAULO - A Vale (VALE3;VALE5) registrou um lucro líquido de R$ 3,187 bilhões no segundo trimestre de 2014, abaixo da expectativa do mercado de resultado de R$ 5 bilhões, mas 283% maior na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando a companhia foi afetada por perdas contábeis cambiais. 

Por outro lado, houve queda de 46,07% na comparação com o primeiro trimestre, quando registrou um lucro líquido de R$ 5,909 bilhões. O resultado foi afetado a uma baixa contábil relacionada a ativos em Simandou (Guiné) e da mina de Integra Coal (Austrália).

No mês de maio, a mineradora comunicou que iria parar a produção na mina de carvão Integra, por considerá-la inviável economicamente no momento. 

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado foi de R$ 9,136 bilhões, ante R$ 10,174 bilhões do segundo trimestre de 2013. A receita operacional, por sua vez, ficou praticamente estável na base de comparação anual, somando R$ 22,478 bilhões. 

No primeiro semestre de 2014, os investimentos da Vale totalizaram US$ 5,056 bilhões,
uma queda de US$ 2,105 bilhões em relação aos US$ 7,161 bilhões investidos no primeiro semestre de 2013.

Minério de ferro
O Ebitda ajustado no segmento de minério de ferro foi de R$ 5,976 bilhões, com a produção sendo de 79,4 mt, excluindo a produção atribuível de Samarco.

" Esta foi uma produção recorde para um segundo trimestre com produção 12,6% maior do que no segundo trimestre de 2013 e 11,8% maior do que nos três primeiros meses deste ano. A produção aumentou em todos os sistemas devido à maior produtividade e aos ramp-ups da Planta 2 e de Conceição Itabiritos. Excluindo pelotas, o volume de vendas de finos de minério de ferro alcançou 63,726 Mt no segundo trimestre, um aumento de 16,9% contra os três primeiros meses do ano". 

De acordo com a companhia, a produção de minério de ferro continuou robusta no período, mas com o aumento de oferta pelos principais produtores pressionando os preços para baixo e causando o fechamento de minas de alto custo e a redução de exportações de produtores não tradicionais como Indonésia, México e Vietnã. 

Metais básicos
Já no segmento de metais básicos, o Ebitda ajustado aumentou 4,1% passando para R$ 1,340 bilhão contra R$ 1,287 bilhão no primeiro trimestre, principalmente devido ao efeito dos preços maiores (R$ 614 milhões) os quais foram parcialmente compensados por maiores custos e despesas (R$ 208 milhões), por menores volumes de venda (R$ 175 milhões) e por variação cambial (R$ 179 milhões).  

"Olhando para frente, esperamos uma produção de níquel refinado mais forte, já que as minas de Sudburry – que são o gargalo deste sistema – não pararam de produzir no referido trimestre, criando estoques de minério e concentrados para serem processados e refinados no segundo semestre do ano. Consequentemente esperamos uma maior produção de níquel no segundo semestre de 2014, compensando a menor produção planejada do segundo trimestre de 2014", ressaltou a companhia. O preço médio do níquel LME subiu 26% em relação aos primeiros três meses do ano.  

 

Contato