Valdemar corta salários de Braga Netto e ex-assessor de Bolsonaro no PL

Ex-ministro da Casa Civil e da Defesa recebia R$ 28 mil por mês do partido; ex-assessor Marcelo Câmara ganhava R$ 18 mil

Fábio Matos

Walter Braga Netto, ex-chefe da Casa Civil no governo de Jair Bolsonaro (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Publicidade

O presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, decidiu suspender o pagamento dos salários de Walter Braga Netto, ex-ministro da Casa Civil e da Defesa do governo Jair Bolsonaro (PL) e de Marcelo Câmara, ex-assessor pessoal do ex-presidente. Braga Netto também foi candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro na eleição de 2022.

A informação foi publicada inicialmente no blog da jornalista Andréia Sadi, no g1. Assim como Bolsonaro, Braga Netto, Marcelo Câmara e Valdemar foram alvos da Operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal (PF), que investiga uma suposta tentativa de golpe de Estado após as eleições presidenciais.

O presidente do PL chegou a ser preso na operação. Ele era alvo de um mandado de busca e apreensão, mas acabou detido em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e levado à sede da PF, em Brasília. Três dias depois, foi liberado por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Valdemar suspendeu o pagamento dos vencimentos a Braga Netto e Câmara devido à decisão de Moraes de proibir a comunicação entre investigados do inquérito. Segundo a prestação de contas do PL no ano passado, Braga Netto recebia um salário de R$ 28 mil e Marcelo Câmara, R$ 18 mil.

Só em 2023, o partido de Valdemar pagou três parcelas de R$ 24 mil e outras nove parcelas de R$ 28 mil ao general da reserva por “serviços técnico-profissionais”. Ao todo, o ex-ministro recebeu mais de R$ 386 mil, pois também foram pagos R$ 23 mil relativos a aluguel.

Depoimento à PF

Braga Netto, Marcelo Câmara, Valdemar e Bolsonaro estiveram entre os convocados pela PF para prestar depoimento ontem, quinta-feira (22), na sede da corporação em Brasília.

Continua depois da publicidade

O único a responder aos questionamentos dos agentes foi o presidente do PL, além do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, mas o teor dos depoimentos não foi revelado. Já Bolsonaro, Braga Netto e Câmara permaneceram em silêncio.

A estratégia de Bolsonaro, de se valer do seu direito de permanecer em silêncio diante dos investigadores, já havia sido antecipada pela sua defesa. Os advogados do ex-presidente tentaram por três vezes adiar o depoimento, mas em todos os casos o pedido foi rejeitado pelo STF.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Além do InfoMoney, teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”.