Voltou atrás

Tribunal evita que processo contra Lula volte à “estaca zero” e manda caso para juiz original

Processos vão permanecer na 10ª Vara Federal, responsável pelas ações penais oriundas da operações Zelotes, Sépsis e Cui Bono

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), sediado em Brasília, afastou os perigos de que os processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltassem para a “estaca zero”.

Nesta quinta-feira (1) foi decidido que estes processos, que incluem ainda os ex-deputados Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves vão permanecer sob a relatoria do juiz federal Vallisney Oliveira, titular da 10ª Vara Federal, responsável pelo julgamento das ações penais oriundas das operações Zelotes, Sépsis e Cui Bono, da Polícia Federal.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Aprenda a investir na bolsa

A medida foi tomada pela corregedoria do tribunal após procuradores responsáveis pelos casos questionarem o ato que determinou a redistribuição dos processos para 12ª Vara, criada, de acordo com o TRF, para desafogar o trabalho de Vallisney Oliveira, por ser o único juízo especializado para julgar ações sobre corrupção na Justiça Federal em Brasília.

Isso ocorreu porque as duas repartições vão passar a dividir os processos sobre crimes contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A intenção é dar mais agilidade à análise dos processos.

Ao rever o deslocamento dos processos, o tribunal decidiu que os processos em que houve audiências ou interrogatórios não serão mais remetidos à 12ª Vara. Segundo procuradores do Núcleo de Combate à Corrupção, cerca de 16 processos das operações poderiam sofrer atrasos porque os novos juízes levariam tempo para ficarem a par de todo material.

(Com Agência Brasil)