Análise

Suspensão a Moreira Franco como ministro põe STF em saia justa e desenterra caso de Lula

Atual situação volta a oferecer protagonismo ao Supremo, que mais uma vez se vê obrigado a tomar uma decisão que definirá rumos em outro Poder da República

SÃO PAULO – A decisão liminar do juiz da 14ª Vara Federal do Distrito Federal, Eduardo Rocha Penteado, de suspender a nomeação do peemedebista Moreira Franco para o cargo de ministro da Secretaria Geral da Presidência da República pode não provocar grandes abalos ao governo Michel Temer no curto prazo. Até que o Supremo Tribunal Federal se manifeste sobre o caso, qualquer determinação é passível de questionamento por parte da AGU (Advocacia-Geral da União), que já informou que irá recorrer “o mais rápido possível”. Para o governo, é vida que segue, a decisão não deve afetar suas construções políticas recentes.

De certo modo, levando-se em consideração recentes episódios de judicialização da política, o episódio envolvendo Moreira Franco não provoca grandes surpresas. A situação, no entanto, volta a oferecer protagonismo ao Supremo, que mais uma vez se vê obrigado a tomar uma decisão que definirá rumos em outro Poder da República. Politicamente, uma confirmação do veto à nomeação do peemedebista como ministro representaria derrota significativa ao governo Temer, mas ainda é considerada menos provável.

O novo episódio trará um desafio aos ministros da Corte: a diferenciação entre os casos de Moreira Franco e Lula. Vale lembrar que o ex-presidente foi nomeado por Dilma Rousseff para a chefia da Casa Civil, mas foi barrado por Gilmar Mendes, após um perde-ganha nas outras instâncias. A decisão do magistrado jamais foi submetida a plenário e trouxe como justificativa a alegação de suposta obstrução de Justiça, tendo em vista que o petista iria ganhar foro privilegiado e teria seu processo enviado de Curitiba para o STF. “Pairava cenário que indicava que, nos próximos desdobramentos, o ex-Presidente poderia ser implicado em ulteriores investigações, preso preventivamente e processado criminalmente. A assunção de cargo de Ministro de Estado seria uma forma concreta de obstar essas consequências”, escreveu Mendes na ocasião.

PUBLICIDADE

Citado 34 vezes na delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Moreira Franco havia sido agraciado com foro privilegiado poucos dias após a homologação das delações de executivos e ex-executivos da empreiteira. O juiz Penteado, em decisão liminar, comparou o caso ao da nomeação de Lula no ano passado. Na avaliação do magistrado, trata-se de um possível caso de “desvio de finalidade”. “Além da tese de fundo (desvio de finalidade), é importante destacar que o referido precedente [do caso de Lula] simboliza o reconhecimento do Supremo Tribunal Federal de que o afastamento de ministro de Estado nomeado diante de tais circunstâncias não representa, sob as lentes da separação dos poderes, interferência indevida do Judiciário sobre o Executivo”, escreveu o juiz federal. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, há quatro ações na Justiça Federal referentes à indicação feita por Michel Temer.

Para o caso de manutenção do cargo de ministro a Moreira Franco, a decisão — seja monocrática ou colegiada — destoaria da posição de Gilmar Mendes sobre a situação que envolveu Lula. Poderia esta ser mais uma saia justa para a Corte. De quebra, há quem observe efeitos do ruído sobre o pedido da defesa do ex-presidente feito à Corte para que se reconheça que o petista foi ministro da Casa Civil do governo Dilma — embora não se acredite que o tema seja colocado na pauta da Corte. Tal posição poderia abrir brecha para questionamentos mais contundentes sobre atos do juiz Sérgio Moro, como a divulgação de escutas telefônicas como a do dialogo mantido com a então presidente Dilma.

Já para o caso da suspensão do direito a foro privilegiado ao ministro, seria uma derrota impactante ao governo e deixaria em posição mais vulnerável um nome forte aliado a Temer.