Perspectivas

“Super quarta-feira” e mais de 30 resultados agitarão o mercado em semana “sem” política

Com anúncios do Fomc e Copom na quarta-feira e balanços de Vale, Ambev e outras grandes empresas, a próxima semana promete ser bastante agitada

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Passada uma semana do início do recesso parlamentar, a política brasileira sai praticamente por completo do radar do mercado, dando espaço para uma agenda econômica bastante agitada, junto com o ganho de força da temporada de balanços do segundo trimestre, com grandes empresas divulgando seus números.

O destaque ficará com a “super quarta-feira”, que contará com as reuniões do Fomc (Federal Open Market Committee) e do Copom (Comitê de Política Monetária), devendo trazer bastante agitação no mercado. É importante lembrar que a liquidez da bolsa está baixa por conta das férias, e com isso, grandes movimentos dos investidores pode ter um impacto mais forte nos ativos.

Às 15h (horário de Brasília), os diretores do Federal Reserve publicam a nota do encontro sobre sua política monetária. Segundo a equipe de analistas do Bank of America, “é provável que o Fomc faça pequenos ajustes na declaração, mas é improvável que altere significativamente a mensagem”. Por não contar com divulgação de projeções nem coletiva de Janet Yellen, o encontro perde força, mas não deixa de ser importante.

PUBLICIDADE

Apesar de baixa probabilidade, os analistas afirmam que há uma possibilidade do Fed anunciar a data de redução de seu balanço de pagamentos. Dirigentes têm indicado que chegou a hora de iniciar esta mudança, mas ainda não chegaram em um consenso de quando isto deverá ocorrer. A expectativa é que isso tenha início em setembro, mas não se descarta o anúncio na próxima semana.

Já no fim do dia, logo após o fechamento do mercado, será divulgada a decisão do Copom, que deve manter o ritmo de corte da Selic em 100 pontos-base, diante da evolução bastante benigna da inflação, a recuperação lenta da atividade, o quadro internacional tranquilo e a moderação das preocupações com o clima político, além da confirmação do comprometimento com a meta fiscal do ano, segundo a Rosenberg.

Resultados e outros indicadores
Após apenas três balanços nesta semana, os próximos dias reservam pelo menos 30 novos resultados. Entre os destaques, atenção para Fibria, Renner e Pão de Açúcar, na terça-feira; Vale, Ambev, Estácio e Raia Drogasil (quinta-feira); e Embraes, Usiminas e Hypermarcas, na sexta-feira.

Entre os indicadores, a semana começará mais tranquila, com alguns PMI nos Estados Unidos e na Europa. Já na sexta-feira (28), o Brasil terá dados de inflação medido pelo IGP-M e de desemprego com a Pnad Contínua. Segundo e Rosenberg, o desempenho deve atingir 13,4%, pouco acima do trimestre encerrado em maio, porém abaixo dos 13,7% verificados no trimestre anterior.

Já no exterior, a semana termina com o PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre dos EUA e dados de inflação. A Rosenberg acredita que o PIB pode corroborar os dados já divulgados de atividade, que têm indicado perda de ritmo do crescimento nos meses de maio e junho.

Para conferir a agenda completa de indicadores e resultados, clique aqui.