RADAR INFOMONEY Programa desta quinta-feira analisa as falas de Bolsonaro e de líderes globais na Cúpula do Clima e qual foi o impacto nos mercados; assista

Programa desta quinta-feira analisa as falas de Bolsonaro e de líderes globais na Cúpula do Clima e qual foi o impacto nos mercados; assista

Política

Senador Major Olímpio tem morte cerebral após complicações da Covid-19

Parlamentar foi o mais votado para o cargo na eleição de 2018, com 9 milhões de votos; ele deixa esposa e dois filhos

(Crédito: Fotos Públicas)

SÃO PAULO – O senador Major Olimpio (PSL-SP) teve morte cerebral nesta quinta-feira (18), em decorrência de complicações provocadas pela Covid-19. O parlamentar, de 58 anos, estava internado desde 2 de março no Hospital São Camilo, na capital paulista. Ele deixa esposa e dois filhos.

Major Olimpio é o terceiro senador vítima do novo coronavírus no país – também faleceram José Maranhão (MDB-PB) e Arolde de Oliveira (PSD-RJ). A notícia de sua morte foi confirmada por sua assessoria em perfil oficial no Twitter.

“Com muita dor no coração, comunicamos a morte cerebral do grande pai, irmão e amigo, Senador Major Olimpio. Por lei, a família terá que aguardar 12 horas para confirmação do óbito e está verificando quais órgãos serão doados”, diz a nota.

“Obrigado por tudo que fez por nós, pelo nosso Brasil”, conclui.

Nascido em Presidente Venceslau (SP), Sérgio Olimpio Gomes completaria 59 anos no próximo sábado. Antes de ingressar na política, serviu como policial militar no estado de São Paulo por 29 anos.

Major Olimpio cumpria seu primeiro mandato como senador, sendo o mais votado para o cargo nas eleições de 2018, com 9 milhões de votos, acompanhando a onda bolsonarista – mais tarde, porém, rompeu com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem tornou-se um dos principais críticos entre os conservadores.

Sua principal pauta ao longo da carreira política foi a segurança pública. O senador era a favor de penas mais duras para criminosos e da ampliação do acesso a armas para os cidadãos.

PUBLICIDADE

Candidato na última eleição para a presidência do Senado Federal, no início do ano, defendeu a criação da Comissão de Segurança Pública, antes de abrir mão da candidatura em favor da senadora Simone Tebet (MDB-MS), derrotada por Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O colegiado foi aprovado em 10 de março, sem o voto do parlamentar, que já estava hospitalizado.

Seu último pronunciamento foi feito há 15 dias. Já do leito do hospital, ele defendeu os direitos dos servidores públicos, durante a sessão que discutia a PEC Emergencial (PEC 186/2019). Com a respiração ofegante, o senador, que era líder do PSL, se manifestou contra os dispositivos relacionados ao congelamento de salários dos servidores.

Os suplentes no cargo são o empresário Alexandre Luiz Giordano e o atual ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

Antes de ser senador, atuou como deputado estadual na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) por dois mandatos (de 2007 a 2015). Em 2014, foi eleito deputado federal, com 179 mil votos.

Além de policial e político, Major Olímpio era bacharel em ciências jurídicas e sociais, professor de educação física, técnico em defesa pessoal e instrutor de tiro.

(com Agência Senado)

Transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos é possível. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

PUBLICIDADE