RADAR INFOMONEY AO VIVO Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Novo ministro

Senado votará ‘com maturidade’ indicação de Fachin ao STF, diz Renan

Renan confirmou que a presidente Dilma o comunicou sobre a indicação; ele também disse ter se encontrado com Luiz Fachin na semana passada e comentou sua impressão do encontro

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

Em sua chegada ao Congresso nesta quarta-feira (15), o presidente do Senado, Renan Calheiros, respondeu a jornalistas que a Casa irá votar “com maturidade” a indicação do nome do advogado Luiz Fachin para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), anunciada pela presidente da República, Dilma Rousseff.

Renan confirmou que a presidente Dilma o comunicou sobre a indicação. Ele também disse ter se encontrado com Luiz Fachin na semana passada e comentou sua impressão do encontro.

— Tive uma conversa com Fachin e tive a melhor impressão dele. E isso se soma à certeza de que, ao mandar seu nome, a presidente conhecia a necessidade do perfil que mandaria. Quando um presidente da República manda um indicado ao Supremo, deve ter um nível de informação máximo, senão não mandaria — observou.

Aprenda a investir na bolsa

Questionado se o fato de Fachin ter apoiado a candidatura de Dilma Rousseff nas eleições de 2010 comprometeria sua atuação no STF, caso tenha seu nome aprovado para a Corte, Renan disse que o próprio indicado terá a chance de se manifestar sobre o assunto, durante a fase de sabatina no Senado.

— Essa será uma pergunta inevitável que será feita por ocasião da sabatina, ele vai ter definitivamente uma oportunidade para responder — afirmou.

Perguntado sobre a confirmação de Henrique Eduardo Alves como ministro do Turismo, Renan disse não ter informação a respeito.

— Não cabe ao presidente do Senado nomear ou indicar ninguém, absolutamente. Muito menos caberá ao presidente do Senado fazer barganha ou aceitar composição — frisou.