Pronunciamento

“São Paulo assistiu atônita e perplexa ao pronunciamento de Dilma”, diz Marta

A senadora petista cada vez mais próxima ao PSB criticou novamente a presidente e disse que Dilma nega a responsabilidade que seu governo teve na deterioração da economia brasileira

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Depois de dizer que o governo atual nega a realidade em artigo para a Folha de S. Paulo, a senadora Marta Suplicy (PT) voltou a criticar a presidente Dilma Rousseff (PT). Marta afirma que a presidente usou novamente justificativas ultrapassadas para explicar as dificuldades do País, citando explicitamente a questão da crise econômica mundial de 2008. 

Para ela, Dilma negou novamente a gravidade e a dimensão dos problemas econômicos brasileiros, bem como a responsabilidade que o seu governo teve neles. Em seu pronunciamento, Dilma disse que a crise internacional era responsável pelo baixo crescimento da economia brasileira e que o ajuste fiscal proposto pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, era apenas uma “travessia” e não “um fim em si mesmo”.

Marta também criticou o “grau de isolamento” do governo, que se distancia da sociedade. 

PUBLICIDADE

A senadora está cotada a deixar o PT e se filiar ao PSB para disputar a prefeitura de São Paulo em 2016 contra o atual prefeito, Fernando Haddad (PT). 

Leia a íntegra da nota publicada pela senadora Marta Suplicy nas redes sociais:

“Em meio a gritos de protestos, buzinas e panelaço, São Paulo assistiu, atônita e perplexa, o pronunciamento da Presidenta Dilma nesta noite de 8 de março.

Tentando se apoiar na ultrapassada justificativa da crise internacional, Dilma negou, mais uma vez, a gravidade e dimensão da atual crise econômica, as responsabilidades de seu governo e as consequências de seus desdobramentos para o povo brasileiro.

O que mais me preocupa, neste momento, é que, a cada ação de seu governo, assistimos ao aumento do grau de seu isolamento e a ampliação de seu distanciamento da sociedade.

Tão séria e grave quanto os problemas econômicos é a crise política e o consequente aprofundamento da falta de confiança e credibilidade”.