Revisão de cadastro tira 1,7 milhão de famílias unipessoais do Bolsa Família

Em dezembro, ao final do primeiro ano do governo Lula, total de famílias unipessoais que recebiam o benefício era de 4,1 milhões

Fábio Matos

Novo cartão do Bolsa Família 2023 (Foto: MDAS/Divulgação)

Publicidade

Uma revisão feita no Cadastro Único (CadÚnico), base de dados utilizada para o pagamento de benefícios sociais pelo governo federal, levou à exclusão de 1,7 milhão de famílias unipessoais – compostas por apenas uma pessoa – da lista de beneficiários do Bolsa Família no período de um ano.

Esse grupo é formado por pessoas que vinham recebendo o benefício de forma irregular ou integravam uma família maior, mas que constavam individualmente no cadastro – o que era visto pelo governo como uma distorção. O benefício mudou de nome durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para Auxílio Brasil, mas voltou a ser Bolsa Família sob a nova gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A quantidade de famílias unipessoais contempladas pelo programa disparou de 2,2 milhões, no fim de 2021, para 5,8 milhões, no fim de 2022. A instituição de um piso de R$ 600 para o Auxílio Brasil, independentemente do tamanho da família, impulsionou esse aumento.

Continua depois da publicidade

Em dezembro de 2023, ao final do primeiro ano do governo Lula, o total de famílias unipessoais que recebiam o benefício era de 4,1 milhões, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome.

O processo de atualização cadastral do programa detectou mais de 17 milhões de cadastros desatualizados ou inconsistentes.

De acordo com o novo protocolo, o beneficiário deve assinar um termo de responsabilidade, além de entregar cópia digitalizada de documentos. Agentes das prefeituras também fazem visitas às residências das pessoas para atestar que elas moram sozinhas.

Em agosto, o governo federal estipulou um limite de 16% para famílias unipessoais na folha de pagamento do Bolsa Família.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Além do InfoMoney, teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”.