Imprensa internacional

Repercussão internacional sobre aceitação do impeachment de Dilma foi intensa; confira

Jornais de várias partes do mundo noticiaram a abertura do processo de impeachment da presidente da República Dilma Rousseff na Câmara

SÃO PAULO – Jornais de várias partes do mundo noticiaram a abertura do processo de impeachment da presidente da República Dilma Rousseff na Câmara. O Wall Street Journal, dos Estados Unidos, citou a frase do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que disse não estar feliz por tomar a decisão.

El País, da Espanha, fez uma longa matéria sobre o caso. O jornal espanhol citou a rejeição das contas de 2014 do governo, que chamou de “manobras fiscais irregulares”, como o argumento do pedido de impeachment aceito por Cunha. O periódico lembrou que, caso oimpeachment se confirme, o vice Michel Temer seria o sucessor e falou ainda que “a semana começou mal para o governo”, com o anúncio da queda de 4,5% no Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro semestre.

O argentino El Clarín disse que o caso “provoca uma grande incerteza política, acentuando uma crise que se prolonga desde o início do ano”. O site da revista inglesa Time noticiou que Cunha disse estar abrindo o processo deimpeachment com base em acusações de que o governo Dilma quebrou leis de responsabilidade fiscal.

PUBLICIDADE

O  inglês The Guardian disse que o Brasil entra em “sua pior crise política deste século”. O jornal também informa que, “depois de meses de disputa política”, Eduardo Cunha deu sinal verde aoimpeachment depois que deputados do PT anunciaram que decidiram votar contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética, que julga se será aberto processo contra o deputado por quebra de decoro parlamentar, o que pode resultar na cassação do parlamentar.

O americano CNN ressalta que a tentativa de realizar o impeachment da presidente ontem foi lançada ontem por Cunha ao destacar que, apesar da reeleição no último ano, Dilma está emaranhada em problemas com um escândalo de corrupção envolvendo o PT, levando os seus índices de aprovação a terem forte queda e provocou protestos em massa.

O britânico Financial Times ressalta que o processo de impeachment vai aumentar ainda mais a incerteza que paira sobre o Brasil num momento em que a economia está em queda livre, com o Produto Interno Bruto encolher 4,5% na comparação anual. 

A Bloomberg também destacou o impeachment em suas páginas e afirmou: “mesmo no País, um país que não é estranho à crise, a sucessão recente de acontecimentos é de ‘tirar o fôlego'”. 

(Com Agência Brasil) 

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir: