Questão na Justiça

Redes da Fazenda e do Serpro foram usadas por petista para atacar Aécio, diz Folha

Segundo o jornal, que cita dados da Justiça, o perfil por trás das postagens contra o senador nas redes sociais é do chefe da divisão de "projetos e tecnologias educacionais" do Serpro em Belo Horizonte, Márcio de Araújo Benedito

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – As redes do Ministério da Fazenda e do Serpro, estatal responsável pelo sistema de tecnologia da informação do governo federal, foram usados por um petista que a Justiça diz ter disseminado mensagens com acusações de que o senador mineiro Aécio Neves (PSDB-MG) seria traficante e consumidor de drogas. As informações são do jornal Folha de S. Paulo, que cita dados entregues pelo Twitter ao poder Judiciário. 

Segundo o jornal, o perfil por trás das postagens contra o senador nas redes sociais é do chefe da divisão de “projetos e tecnologias educacionais” do Serpro em Belo Horizonte, Márcio de Araújo Benedito. Ele é filiado ao PT e seu perfil está entre os 55 que foram alvo de uma ação movida pelo senador. 

O juiz Helmer Augusto Toqueton Amaral determinou que o Twitter abrisse o acesso de 20 perfis de usuários apontados como difamatórios. Amaral concluiu que esses perfis produziram conteúdos que vincularam Aécio ao tráfico e ao consumo de drogas, o que daria ao senador o direito de identificar os detratores. 

PUBLICIDADE

De acordo com os dados entregues à Justiça, Benedito também usou equipamentos da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, por mais de três meses e usou estruturas de três Estados diferentes: Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Brasília. Os órgãos negaram vínculo com o caso.

Em resposta ao jornal, Márcio de Araújo Benedito negou ter feito comentários e publicações que vinculassem Aécio ao uso e tráfico de drogas.