Reajuste de salário do STF dá péssimo sinal e é mais uma má notícia para o próximo presidente

Ninguém quer pagar a conta do ajuste fiscal, uma das questões que terá que ser abordada pelo próximo governante 

Rodrigo Tolotti

Plenário do STF

Publicidade

SÃO PAULO – Na noite de quarta-feira (8), por 7 votos a 4, a maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu aprovar um aumento de 16,38% nos salários dos ministros da Corte para 2019, que hoje é de R$ 33,7 mil. A proposta ainda precisa ser aprovada no Congresso, mas a repercussão – e as críticas – já é bem grande.

O valor recebido pelos ministros é considerado como o teto para o funcionalismo público no Brasil e este aumento, que pode levar os salários para R$ 39 mil, deve provocar um efeito cascata, com impacto que pode chegar a R$ 4 bilhões a mais para a União e os estados, segundo cálculo das consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado.

“De fato, a situação é bastante complexa, pois a impressão é que boa parte da sociedade e alguns grupos em particular ainda não perceberam a gravidade do quadro fiscal brasileiro”, avalia Luiz Castelli, economista da GO Associados. Segundo ele, pior que o impacto orçamentário é o sinal que esta decisão passa: “que ninguém quer pagar a conta do ajuste fiscal”.

Continua depois da publicidade

Castelli avalia que não vê neste momento nenhuma medida para conter o crescimento das despesas, o que é necessário para fazer com que a regra do teto de gastos seja cumprida. “Isso só coloca mais pressão no resultado das eleições, e na capacidade que o próximo presidente vai ter de enfrentar esse desafio, com um Congresso e Judiciário, que no geral, tem pouco apreço pela austeridade”, analisa Castelli.

Já o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, diz que a maior preocupação está no “efeito cascata sobre o salário do funcionalismo público”. Ele lembra que o País não tem muitas alternativas de receitas extraordinárias (principalmente sem aprovação da cessão onerosa e da privatização das distribuidoras da Eletrobras), e que a receita recorrente depende do desempenho da economia, que não dá sinais de que vá ajudar.

“Não há dúvidas que as pressões aumentam para o próximo governo quanto a necessidade de atingir o equilíbrio fiscal que, por sua vez, passa inevitavelmente pela reforma da previdência. Ou é isso, ou a regra do teto vai paralisar todos os serviços públicos, pois suspende automaticamente o pagamento do custeio da máquina: água, luz, etc”, afirma o economista. Para ele, se a medida for aprovada no Congresso, “será um golpe amargo sobre o próximo governo”.

Continua depois da publicidade

Votaram a favor do aumento os ministros Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Luiz Fux e Alexandre de Moraes. A presidente da Corte, Cármen Lúcia, votou contra o reajuste, assim como os ministros Rosa Weber, Edson Fachin e Celso de Mello.

Impactos
Segundo a Secretaria Geral do STF, o impacto da proposta é de R$ 2,87 milhões para o Supremo em 2019. O problema é o efeito-cascata no Judiciário, com efeitos que podem atingir os três poderes, já que existem servidores públicos que recebem salário acima dos ministros e que são alvos do chamado abate-teto. Com este reajuste, o abate-teto também sobe.

Por conta deste sistema do abate-teto, o efeito deste reajuste nas contas da União seria de R$ 1,4 bilhão, considerando todos os Poderes, já que estes servidores terão um “reajuste automático” de salário para acompanhar esta mudança de remuneração dos ministros. Já nos Estados, o impacto deve chegar a R$ 2,6 bilhões, segundo os cálculos dos consultores da Câmara e do Senado.

Continua depois da publicidade

Segundo estes consultores, o número pode estar superestimado, pois considera que todos os juízes terão ganhos com o aumento de salário. Mas este não é exatamente o cenário. O cálculo é feito desta forma pois há uma grande dificuldade de identificar e excluir da conta os servidores que ganham abaixo do teto atual e não sentirão efeito do reajuste.

Leia mais:

– William Waack: o Brasil está quebrado – e o próximo presidente não poderá fugir

Supremo dividido
Durante a votação do reajuste, os ministros Dias Toffoli e Lewandowski disseram que a proposta não terá impacto financeiro nas contas públicas. Segundo os ministros, foram feitos cortes internos nas despesas para bancar os custos.

Continua depois da publicidade

Para defender o envio da proposta, Lewandowski disse que os salários dos ministros da Corte estão defasados em 50%. O ministro também demonstrou preocupação com o “estado de penúria” dos aposentados e pensionistas do Supremo, que “não conseguem pagar plano de saúde”.

Contra o reajuste, o decano na Corte, Celso de Mello, disse que “fez uma escolha trágica” ao não enviar a proposta do Congresso. Segundo o ministro, a crise fiscal pela qual o país passa não permite o pedido de aumento.

Nesta quinta, a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, disse não se envergonhar de ter sido vencida no tema, por estar convencida de que não era o melhor para o Brasil. “Perco quase todo dia, ontem perdi, provavelmente hoje perco de novo em alguma votação. Mas eu não queria estar ao lado dos vencedores”, afirmou.

Continua depois da publicidade

“Os que venceram e como venceram não era o que eu queria mesmo, e continuo convencida de que não era o melhor para o Brasil”, disse a presidente do STF. “Às vezes lutamos muito, mas não ganhamos, mas o objetivo de lutar pelo Brasil e conviver com o diferente que muitas vezes vence faz parte da democracia”, completou.

(Com Agência Brasil)

Quer investir em ações com a menor corretagem do Brasil? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Rodrigo Tolotti

Repórter de mercados do InfoMoney, escreve matérias sobre ações, câmbio, empresas, economia e política. Responsável pelo programa “Bloco Cripto” e outros assuntos relacionados à criptomoedas.