Em entrevista à Folha

“Quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”, diz Jaques Wagner sobre o PT

Para a Folha de S. Paulo, Jaques Wagner afirmou que seu partido “errou” ao não fazer a reforma política e ao “acabar reproduzindo metodologias” antigas da política brasileira

SÃO PAULO – Após entrevista para a rádio Metrópole, de Salvador, na semana passada, em que fez uma mea-culpa sobre erros do primeiro mandato do governo Dilma Rousseff que contribuíram para a crise atual, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, usou um tom parecido durante entrevista concedida à Folha de S. Paulo no último domingo. 

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia InfoMoney clicando aqui!

Ao jornal, Jaques Wagner afirmou que seu partido “errou” ao não fazer a reforma política e ao “acabar reproduzindo metodologias” antigas da política brasileira, referindo-se ao fato de ser atingido em cheio pela Lava Jato. Ele afirmou que o PT, “não foi treinado para isto” e citou o ditado: “Quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”.

PUBLICIDADE

Ao falar sobre o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, Jaques ressaltou que o processo será enterrado logo na Câmara dos Deputados. “Não tenho dúvida de que a gente vai a 250, 255 votos [Dilma precisa de 171 votos para barrar o pedido de impeachment na Casa]”, ressaltou.

Segundo o ministro, a impopularidade atual da presidente é consequência “de que a gente teve que consertar medidas tomadas em 2013 e 2014, que tiveram seu lado positivo e, como tudo na vida, também consequências ruins. Mas nunca teve dolo”. Para ele, “a banalização do processo como recurso eleitoral é o ‘impeachment tapetão’, que não é com motivo, é para recorrer do jogo que perdi em campo”. 

O ministro ainda fez ressalvas à atuação do ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, afirmando que o economista tinha uma obsessão pelo ajuste sem mostrar para onde o país iria. Agora, ele afirma, é preciso “modular” o ajuste com propostas que apontem para o desenvolvimento. Segundo Jaques Wagner, 2015 foi um ano “duro” e em 2016 não deve haver crescimento.