Reação do partido

PT diz que “panelaço” foi orquestração golpista, mas que fracassou em seu objetivo

Reação ao discurso de Dilma em algumas capitais brasileiras foi objeto de nota do PT, que afirmou que "as manifestações que aconteceram em algumas cidades brasileiras durante pronunciamento da presidenta Dilma Rousseff foram orquestradas para impedir o alcance da mensagem, mas fracassaram em seus objetivos"

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em nota publicada no site do PT na madrugada desta segunda-feira (9), o partido reagiu ao panelaço que aconteceu em diferentes cidades para protestar contra o pronunciamento de Dilma Rousseff em rede nacional. Dilma pediu paciência à população brasileira e coragem para enfrentar a corrupção.

De acordo com a avaliação do secretário nacional de Comunicação do PT, José Américo Dias, e do vice-presidente de coordenação das redes sociais da legenda, Alberto Cantalice, “as manifestações que aconteceram em algumas cidades brasileiras durante pronunciamento da presidenta Dilma Rousseff foram orquestradas para impedir o alcance da mensagem, mas fracassaram em seus objetivos”.

“A comprovação do curto alcance do protesto veio pelas próprias redes. A hashtag#DilmadaMulher, em apoio à presidenta, tornou-se uma das mais usadas pelos internautas e entrou para o trending topics do Twitter, durante a fala da presidenta em cadeia nacional de rádio e tevê”.

PUBLICIDADE

O PT ainda afirmou que o “panelaço” foi realizado por moradores de bairros de classe média, como Águas Claras (DF),  Morumbi e Vila Mariana, em São Paulo, e Ipanema, no Rio, foram mobilizados durante o final de semana por meio das redes sociais, conforme monitoramentos do PT.

“Tem circulado clipes eletrônicos sofisticados nas redes, o que indica a presença e o financiamento de partidos de oposição a essa mobilização”, afirma José Américo. “Mas foi um movimento restrito que não se ampliou como queriam seus organizadores”, completa.

E, segundo ele, apesar da intensa convocação e dos investimentos na divulgação do protesto, a mobilização não repercutiu nas áreas populares e perdeu o alcance. “Existe uma orquestração com viés golpista que parte principalmente dos setores da burguesia e da classe média alta”, define o vice-presidente.