Unidos por Guedes

Possível ministro de Bolsonaro foi o grande motivador da “quase candidatura” de Luciano Huck

Um ponto em comum entre os dois nomes é o economista Paulo Guedes

SÃO PAULO – Na última segunda-feira, dia em que informou que não iria se candidatar à presidência, o apresentador de TV Luciano Huck falou em evento realizado pela Veja um pouco sobre os “influenciadores” para a sua quase candidatura. 

Um deles surpreendeu: tratava-se do economista Paulo Guedes, sondado por Jair Bolsonaro para ser o ministro da Fazenda caso o deputado vire presidente. “O Paulo Guedes é muito respeitado, tem capacidade de enxergar o cenário muito antes de ele acontecer. Ele me disse que a classe política ia derreter e que surgiria alguém de fora”, disse Huck no evento. 

Guedes é um dos quadro fundadores do Banco Pactual e também é fundador e sócio majoritário do grupo BR Investimentos, hoje parte da Bozano Investimentos – companhia que investe em ações privadas (private equity). Economista com Ph.D  em economia pela Universidade de Chicago, considerada uma referência do pensamento econômico liberal, Guedes também já foi integrante do conselho de administração de diversas companhias. Dentre elas, PDG Realty (PDGR3), Localiza (RENT3) e Anima Educação (ANIM3).

 O jornal Valor Econômico desta sexta-feira trouxe mais detalhes sobre a quase “candidatura” de Huck. De acordo com a publicação, a história da possível entrada do apresentador na política começou, na verdade, com um outro integrante da família Guedes. Trata-se de Paula Drumond Guedes, a filha de Paulo. 

Paula e sua equipe de trabalho costumam desenvolver pesquisas para entender o que o brasileiro espera do futuro, não só em relação ao mercado de trabalho, mas também quais são seus anseios e frustrações – ela é empreendedora da área de tecnologia e fundadora da Jobzi, site para busca de emprego. Os estudos, que utilizam fontes diversas e ferramentas variadas, entre elas análise de Big Data, acabaram por captar algumas tendências políticas que chamaram sua atenção no ano passado.

As pesquisas “apontaram que teria chances de sucesso um candidato jovem, com perfil de empresário, bom comunicador, com forte presença em redes sociais e que fosse percebido como autêntico e humano”, aponta o jornal. Paula apresentou o resultado para o pai e os dois concluíram que o perfil correspondia ao do apresentador Luciano Huck.

A ponte entre Paulo Guedes e Huck foi feita pelo investidor Gilberto Sayão, um amigo em comum dos dois, enquanto Paula deixou o assunto de lado. “O nome de Huck na verdade já estava colocado, por analogia, desde que Donald Trump foi eleito nos Estados Unidos e João Doria foi eleito em São Paulo. O que o Paulo Guedes fez, na verdade, foi apenas conceituar a candidatura”, disse uma pessoa próxima com conhecimento do assunto ao jornal. Mas, por enquanto, a candidatura de Huck está em “stand-by”, enquanto Guedes confirmou conversas com Bolsonaro. Procurada, a assessoria de imprensa de Huck não se manifestou sobre o assunto.