PGR vai investigar militares por envolvimento no 8 de janeiro após decisão do STF

Órgão recebeu informações sobre investigações que vinham sendo conduzidas pelo Ministério Público Militar

Reuters

Manifestantes invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Publicidade

A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai investigar o envolvimento de militares por envolvimento na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes no dia 8 de janeiro, informou a assessoria do órgão.

A determinação ocorre após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter decidido que cabe à corte investigar e julgar militares pelos atos violentos antidemocráticos de bolsonaristas radicais em Brasília, e não à Justiça Militar.

Moraes foi provocado a se manifestar pela Polícia Federal em meio a cobranças feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por aliados de punição a militares por envolvimento nos ataques golpistas.

Continua depois da publicidade

Segundo a PGR, informações sobre investigações que vinham sendo conduzidas pelo Ministério Público Militar (MPM) sobre integrantes das Forças Armadas chegaram ao órgão na sexta-feira.

Essas apurações foram encaminhadas ao grupo de trabalho comandado pelo subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos, que foi designado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, para cuidar do caso.

Procurado, o Exército não respondeu de imediato a pedido de comentário sobre a determinação da PGR.

No mês passado, a Reuters mostrou, com base em dados, uma demora no avanço das investigações do MPM sobre os militares. Na ocasião, haviam sido abertas 15 investigações ligadas a atos ligados ao 8 de janeiro envolvendo a atuação de militares em Brasília, sendo que a maioria delas, 11, eram notícias de fato, fase preliminar de apuração.

Apenas um caso envolvia a suposta omissão de generais militares no caso, conduzido pelo procurador-geral de Justiça Militar, Antônio Pereira Duarte. Em entrevista à Reuters na ocasião, ele disse que não haveria “caça às bruxas” na investigações dos atos violentos do 8 de janeiro, destacando que seu papel é evitar ser “leviano” nas acusações para não incorrer em abuso de autoridade.

A manifestação de Duarte ocorreu na semana em que o Diretório Nacional do PT havia aumentado a pressão sobre a investigação de integrantes das Forças Armadas aprovando uma resolução em que cobra a responsabilidade de todos envolvidos nos ataques, “inclusive militares”.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.