Lava Jato

Petrobras ressarciu Mendes Jr. em R$ 64 mi por causa de formiga em extinção, diz jornal

Segundo O Globo, a empresa tinha recebido R$ 493,5 milhões para a prestação de serviços, mas recebeu R$ 64,3 mi pelas "dificuldades geradas em obras ambientais"; Petrobras gastou R$ 765 mi em transações extrajudiciais

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Mendes Júnior, uma das empresas investigadas pela Operação Lava Jato, cobrou ressarcimento da Petrobras (PETR3;PETR4) depois que seu contrato já estava encerrado por meio de uma transação extrajudicial.

O motivo, segundo o jornal O Globo, foi a descoberta de formigas ameaçadas de extinção da espécie Atta robusta, conhecida como saúva-preta, em área de uma obra da estatal no Espírito Santo. A empresa tinha recebido R$ 493,5 milhões para a prestação de serviços no Terminal Aquaviário de Barra do Riacho, em Aracruz mas, em dezembro de 2010, Petrobras aceitou pagar um extra de R$ 64,3 milhões por razões diversas, entre elas “dificuldades geradas por motivos de ordem ambiental”.

Uma comissão de negociação da Petrobras chegou a cobrar da Mendes Júnior mais provas dos prejuízos com as formigas, localizadas em 16% da área da obra. A Mendes Júnior não apresentou provas, mas conseguiu negociar o pagamento por horas adicionais de seus funcionários nas obras, sendo que o trabalho só foi liberado 15 dias depois da descoberta da espécie. A empreiteira já tinha obtido R$ 20,8 milhões além dos R$ 49,9 milhões que havia recebido por uma adutora em Duque de Caxias.

Aprenda a investir na bolsa

Segundo o jornal, a Petrobras gastou R$ 765 milhões em transações extrajudiciais em negociações conduzidas pelo ex-diretor de Serviços Renato Duque e o ex-gerente-executivo de sua diretoria Pedro Barusco. As transações extrajudiciais são um mecanismo que permite a fornecedores fazer acordos que já estão encerrados e para evitar que divergências sobre pagamentos cheguem à Justiça. 

Outras empresas investigadas pela Lava Jato também celebraram transações extrajudiciais com Duque e Barusco, como a Camargo Corrêa (R$ 69,7 milhões), Queiroz Galvão (R$ 61,6 milhões), e Iesa (R$ 44,5 milhões).