AO VIVO Radar InfoMoney: Klabin tem aval para incorporar Sogemar, leilão da Oi e desemprego recorde; assista ao programa desta 6ª

Radar InfoMoney: Klabin tem aval para incorporar Sogemar, leilão da Oi e desemprego recorde; assista ao programa desta 6ª

Valor muito menor

Petrobras põe à venda por US$ 40 mi sondas que comprou por valor 1700% maior – US$ 720 milhões

As unidades a serem vendidas são parte de um pacote de sete sondas que serão leiloadas pela estatal em maio.

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Conforme destaca o jornal Folha de S. Paulo de hoje, a Petrobras (PETR3;PETR4) colocou à venda por um preço mínimo de US$ 40 milhões duas sondas de perfuração (a P-59 e a P-60) que lhe custaram US$ 720 milhões no início da década. Assim, o valor da venda é 94,4% menor do que o da compra ou o valor da compra foi 1.700% maior do que o será a venda.  

As unidades a serem vendidas são parte de um pacote de sete sondas que serão leiloadas pela estatal em maio.  As sondas foram construídas por um consórcio formado por Odebrecht, UTC e Queiroz Galvão (todas investigadas na Operação Lava Jato) em um canteiro de obras da Petrobras na Bahia.  

As unidades foram as primeiras construídas do tipo no País em trinta anos, o que foi comemorado pelo governo na época. O batismo da P-59, em 2012, contou até com a presença da então presidente Dilma Rousseff. Comunicados distribuídos em 2012 mostram que cada unidade custou à estatal US$ 360 milhões. Em edital publicado esta semana, a empresa estipula o preço mínimo de US$ 20 milhões para cada uma.

Aprenda a investir na bolsa

Esse preço tão menor da sonda gerou protestos. “É um absurdo vender duas sondas tão novas por esse preço. Aliás, não é hora de vender nada”, critica o coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel, que se opõe ao plano de venda de ativos da estatal.

O jornal aponta que, ao contrário dos modernos navios-sonda, que flutuam e podem ser levados a águas ultraprofundas, P-59 e P-60 são unidades autoelevatórias: são apoiadas no fundo do mar por três torres de 145 metros. Dessa forma, estão restritas a operações em lâminas d’água inferiores a 106 metros de profundidade. 

Em nota, a Petrobras informou que o valor de US$ 40 milhões das sondas é apenas referencial.