Impeachment

Para Eurasia, 55 ou 56 senadores votarão a favor do impeachment de Dilma

<div><span style="color: #222222;font-family: arial, sans-serif;font-size: 12.8px">Para consultoria de risco político, Michel Temer deve ter apoio no Congresso, mas avanço fiscal deve ser modesto</span></div>

SÃO PAULO – O vice-presidente Michel Temer deve assumir a presidência no dia 12 de maio, segundo análise da consultoria de risco político Eurasia. A consultoria vê como certo o afastamento da presidente Dilma Rousseff – afastando a petista do comando do País por até 180 dias – e acredita que 55 ou 56 senadores votarão a favor do impedimento da presidente. 

Segundo a consultoria, Temer desfrutará inicialmente de grande maioria no Congresso, o que pode levá-lo a aprovar facilmente reformas microeconômicas; porém, apesar do apoio, ele deve fazer progressos modestos em reformas estruturais. Num primeiro momento, o presidente interino deve conseguir aprovar medidas como a liberação das reservas de petróleo no pré-sal para estrangeiros.

A consultoria avalia que Temer terá maioria tanto no Senado quanto na Câmara em patamar superior ao necessário para aprovar medidas de ajuste – 380 deputados e 60 senadores. O número de deputados é ainda maior dos que votaram a favor do processo de impeachment, de 367 parlamentares; o relatório afirma que alguns políticos que eram contrários ao impeachment estão manifestando apoio a gestão Temer. 

PUBLICIDADE

Segundo a Eurasia, a razão para o apoio a Temer ocorre por alguns motivos: o setor privado apoia a saída de Dilma e espera medidas pró-mercado do PMDB, enquanto muitos parlamentares estão buscando cargos, influência e recursos de olho nas eleições de outubro deste ano. 

Ao mesmo tempo, Temer terá um progresso apenas modesto na agenda de reformas e ajustes e uma das razões para isso é que o Brasil precisa de um amplo pacote de medidas para melhorar as contas públicas. “São medidas amplamente impopulares e que exigem reforma constitucional”, afirmam, destacando que as eleições presidenciais de 2018 acabam sendo um peso negativo neste caso.