RADAR INFOMONEY Ações da WEG disparam 137% no ano e Bolsa segue de olho em impasse do pacote de estímulo nos EUA

Ações da WEG disparam 137% no ano e Bolsa segue de olho em impasse do pacote de estímulo nos EUA

Delação premiada

Palocci diz que Mantega fez “central de vendas” de informações para setor financeiro

O esquema começou no governo Lula, em 2006, e seguiu durante o governo Dilma, segundo a Folha; Mantega disse ao jornal ver declarações com estranheza

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O ex-ministro Antonio Palocci afirma nas negociações para fechar um acordo de colaboração premiada que o seu sucesso no ministério da Fazenda, Guido Mantega, montou uma espécie de central de venda de informações para o setor financeiro durante os governos de Lula e Dilma Rousseff. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. A sede da “central”, segundo Palocci, seria o prédio do Ministério da Fazenda em São Paulo, na avenida Paulista, onde Mantega costumava despachar às sextas-feiras.

De acordo com o jornal, Palocci afirmou que Mantega antecipava informações sobre medidas provisórias e alterações nas taxas de juros. Desta forma, os bancos poderiam se antecipar e se proteger contra ações que afetariam o setor. A Folha informa que, de acordo com relatos de quem tem acesso às investigações, o esquema começou no governo Lula, em 2006, e seguiu durante o governo Dilma Rousseff, enquanto Mantega foi ministro, até 2015.

 Ao jornal, Mantega declarou, por meio de seu advogado, que vê a acusação com “estranheza”. “Qualquer caixa de agência bancária do país sabe que quem representava os interesses do mercado financeiro era o próprio Palocci” diz o advogado Fábio Tofic Simantob. “Guido Mantega, pelo contrário, assumiu sempre posições que desagradavam os bancos, a ponto de ser demonizado. Não houve pessoa mais execrada pelo mercado do que Mantega. A informação, por isso, não faz nenhum sentido”, afirmou. 

Aprenda a investir na bolsa