Novo comandante do Exército pediu para tomar frente em decisão sobre ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, diz Múcio

Ministro repetiu que uma quebra de confiança de Lula levou à demissão do general Júlio César Arruda

Reuters

José Múcio Monteiro Filho, ministro da Defesa (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Publicidade

O novo comandante do Exército, general Tomás Paiva, pediu para tomar a frente na decisão sobre o futuro do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro, suspeito de irregularidades e nomeado para comandar o 1º Batalhão de Ações de Comandos, em Goiânia, disse o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro.

Em entrevista à GloboNews, Múcio disse ter o entendimento que Mauro Cid não assumirá o posto ao qual foi nomeado enquanto estiver sob suspeita de uso irregular dos cartões de crédito corporativos da Presidência da República e afirmou ser importante que eventuais trocas em postos-chave –como os comandos Militar do Planalto e do Batalhão da Presidência– partam de Tomás Paiva.

O ministro repetiu que uma quebra de confiança de Lula levou à demissão do general Júlio César Arruda do posto de comandante do Exército no fim de semana.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.