México 2006: mercado reage com nervosismo à possível vitória da oposição

Após recontagem de votos, Obrador sai na frente e provoca queda na bolsa e desvalorização do peso

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O mercado mexicano reagiu com nervosismo à vantagem parcial do candidato oposicionista Andrés Manuel López Obrador (PRD) nesta quarta-feira (5)
A bolsa de valores do país fechou em queda de 4% e o peso desvalorizou-se em mais de 1%.

A tendência negativa foi influenciada, também, pela recente declaração de Obrador de que “a estabilidade política do México estava em jogo” com o processo da recontagem dos votos.

Calderón representa a continuidade

Na corrida presidencial mexicana, Andrés Manuel López Obrador concorre com Felipe Calderón (PAN), que representa a continuidade da política empreendida pelo atual presidente Vicente Fox.

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com analistas, o nervosismo do mercado a uma possível vitória da oposição é normal e deve se manter durante os próximos dias.

Recontagem

A decisão de iniciar uma recontagem dos votos foi tomada no último domingo (2), após protestos dos esquerdistas a respeito de inúmeras irregularidades na apuração dos resultados preliminares.

Na ocasião, Calderón aparecia com uma pequena vantagem de 0,6 ponto percentual sobre o candidato oposicionista, o que representa um universo de menos de 300 mil votos.

Obrador acusou o processo de estar repleto de irregularidades e afirmou, também, que milhares de votos não haviam sido contabilizados.

Diante do impasse, ambos os presidenciáveis reivindicaram a vitória no pleito, não dando ao Instituto Federal Eleitoral (IFE) outra escolha senão reiniciar a contagem, urna por urna.

Manifestações

Desde o início da polêmica recontagem dos votos nas eleições mexicanas o país vive em meio a grande agitação política. Na Cidade do México, um grupo de pessoas ameaçou entrar em greve de fome e iniciou uma vigília em frente ao IFE, para protestar contra as possíveis irregularidades no processo eleitoral.

PUBLICIDADE

No extremo sul, o suposto grupo armado Movimento Revolucionário Lucio Cabañas Barrientos também contestou a contagem preliminar e incitou os cidadãos a rejeitarem o que eles chamam de “fraude eleitoral preparada, anunciada e promovida pelo governo mexicano”.

Contudo, mesmo em meio a esse cenário de inquietação, o Secretário de Interior, Carlos Abascal, descartou a possibilidade de distúrbios e confronto. Segundo ele, o país vive uma “normalidade democrática”.

Após o anúncio de que todos os votos seriam recontados, no domingo, o presidente Vicente Fox fez um pronunciamento em cadeia nacional pedindo para que os resultados das eleições fossem respeitados.

Definição pode demorar

Embora a apuração definitiva tenha sido iniciada nesta quarta-feira, o IFE tem até o próximo domingo (9) para proclamar o vencedor oficial.

No caso de uma impugnação por parte do Tribunal Federal Eleitoral (Trife), que pode vir a acontecer, a sentença deverá ser emitida até seis de setembro.

Não é a primeira vez

Fazer parte de processos eleitorais “polêmicos” não é novidade para o Partido da Revolução Democrática (PRD), pelo qual Obrador concorre às eleições.

Em 1988, durante disputa com o candidato pelo Partido Revolucionário Instituicional (PRI), Carlos Salinas, o representante do PRD, Cualtemóc Cárdenas, liderava o pleito. Durante a apuração, porém, o sistema sofreu uma súbita “queda” e, ao ser reestabelecido, dava a liderança a Salinas, culminando na nomeação desse como vencedor.