Reformas

Meirelles nega “plano B” para Previdência e diz que reformas seguem mesmo sem Temer

"Isso já é uma agenda para o País... O fato de que o País está crescendo de novo mostra isso", afirmou o ministro da Fazenda

SÃO PAULO – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participou do Fórum Exame de Previdência, onde falou bastante sobre a situação econômica atual e as expectativas sobre a reforma. Segundo ele, este é o momento certo para alterar a Previdência.

“O Brasil precisa da reforma para, primeiro, garantir que todos recebam aposentadoria no futuro”, disse na entrevista para a revista. De acordo com o ministro, a reforma precisa ser aprovada o quanto antes, pois, “no curto prazo, vai aumentar a confiança na retomada da economia”.

Na conversa Meirelles ainda negou que o governo estude um “plano B” para a reforma da Previdência. Ele disse que foi “surpreendido” pela informação divulgada em jornais de que outras alternativas são costuradas pelo governo caso a crise política inviabilize a votação da reforma da Previdência no Congresso. “Não é real”, resumiu.

PUBLICIDADE

Ele afirmou também que um eventual atraso na votação não fará diferença para os cofres públicos, mas sim para as expectativas da economia. “Se olhar do ponto de vista fiscal e efeitos na economia não será 1, 2, 3 4 5 meses que fará uma diferença extravagante. (…) Essa diferença é importante do ponto de vista de formação da expectativa da economia e de possibilidade de o Brasil crescer”, disse Meirelles.

Mais cedo, segundo informações da Dow Jones, Meirelles disse que espera que o presidente Michel Temer permaneça no cargo até as eleições presidenciais de 2018, mas assegurou que a agenda econômica do peemedebista continuará mesmo que ele seja forçado a sair.

“Isso já é uma agenda para o País… O fato de que o País está crescendo de novo mostra isso”, afirmou. Ele disse que espera que o PIB (Produto Interno Bruto) tenha crescido 0,7% no primeiro trimestre e que a economia vai avançar cerca de 3% em termos anuais até 2018.

A economia do País recuou em 2015 e em 2016, afundando o País na pior recessão que se tem registro. O PIB brasileiro será divulgado na quinta-feira, e Meirelles estima que venha em linha com a expectativa do mercado.

(Com Agência Brasil)