Demissão da médica

Médica do Sírio Libanês é demitida após compartilhar dados sigilosos de Marisa Letícia

Gabriela Munhoz compartilhou informações sigilosas do diagnóstico da ex-primeira-dama horas depois de sua internação 

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A médica reumatologista Gabriela Munhoz, de 31 anos, do Sírio Libanês, foi demitida após compartilhar informações sigilosas do diagnóstico da ex-primeira-dama Marisa Letícia horas depois de sua internação – dez dias atrás – em um grupo de Whatsapp de antigos colegas de faculdade. Ela confirmou que Marisa estava no pronto-socorro com diagnóstico de AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico de nível 4 na escala Fisher — considerado um dos mais graves – e estava prestes a ser levada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Por não permitir esse tipo de atitude entre seus colaboradores, a instituição tomou as medidas disciplinares cabíveis em relação à médica, assim que teve conhecimento da troca de mensagens”, informou a assessoria do hospital Sírio Libanês, segundo informações do jornal O Globo, que publicou a denúncia. O hospital disse ainda ter “uma política rígida relacionada à privacidade de pacientes”, repudiando a quebra do sigilo de pacientes por profissionais de saúde. 

Marisa Letícia foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês do dia 24 de janeiro. Segundo boletim médico divulgado pelo hospital, na manhã de ontem foi realizado um doopler transcraniano que identificou a ausência de fluxo cerebral na paciente. A família autorizou a doação de órgãos. Marisa Letícia foi acompanhada pelas equipes coordenadas pelos médicos Roberto Kalil Filho, Milberto Scaff, Marcos Stávale e José Guilherme Caldas.

PUBLICIDADE