Ex-prefeito de SP

Maluf é condenado a 3 anos de prisão pela Justiça da França por lavagem de dinheiro

A sentença determinou ainda o confisco de 1,84 milhão de euros em contas do deputado, de sua mulher Sylvia Lutfalla Maluf e seu filho Flávio Maluf

SÃO PAULO – A Justiça da França condenou o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) a três anos de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro em território francês entre os anos de 1996 e 2005. 

A sentença, proferida no fim do ano passado e informada à Procuradoria Geral da República no último mês, determinou ainda o confisco de 1,84 milhão de euros em contas do deputado, de sua mulher Sylvia Lutfalla Maluf e seu filho Flávio Maluf. Os três deverão ainda pagar multas que somam 500 mil euros.

De acordo com a sentença, a lavagem foi fruto de corrupção e desvio de dinheiro público no Brasil. Maluf e sua família agiram, de acordo com a Justiça, em associação para ocultar a origem e a natureza dos recursos que seriam fruto de corrupção e desvio de dinheiro no Brasil na época em que Maluf era prefeito de São Paulo. 

PUBLICIDADE

O ex-prefeito é suspeito de irregularidades por conta de um depósito feito de US$ 1,7 milhão em uma agência do Crédit Agricole, da França, que  poderia ter sido fruto de desvios em obras viárias de São Paulo quando esteve no cargo, nos anos 90.

Porém, Maluf não será extraditado. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, argumenta que, segundo a Constituição, cidadãos brasileiros não podem ser extraditados, mesmo quando condenados no exterior. 

Leia também:

Carteira InfoMoney tem 4 novas ações para março; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa