Lula sancionará incentivos fiscais para estimular a indústria, diz Alckmin

As empresas poderão abater o valor das compras de um bem de capital (como maquinário e equipamentos) nas declarações futuras de IRPJ e de CSLL

Estadão Conteúdo

Geraldo Alckmin, vice-presidente da República (Foto: Divulgação)

Publicidade

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB), afirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve sancionar, na próxima semana, a depreciação acelerada para indústria, com incentivo fiscal para estimular a indústria a investir em novas máquinas e equipamentos.

A declaração foi dada nesta segunda-feira (20), em reunião para anúncios referentes ao setor da indústria do aço no Palácio do Planalto.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

A “depreciação acelerada” funciona como uma antecipação de receita para as empresas em um período de dois anos.

Leia também:

O programa permite que as empresas abatam o valor das compras de um bem de capital (como maquinário e equipamentos) nas declarações futuras de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Continua depois da publicidade

O texto foi aprovado no Congresso no final de abril. Pelo texto aprovado nas duas Casas, esse abatimento dos produtos comprados em 2024 poderá ser feito em dois anos, e não em até 25 anos, como previsto anteriormente.

O projeto é uma das prioridades da agenda do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). O relator no Senado foi o senador Jaime Bagattoli (PL-RO).

O governo estimou uma renúncia fiscal de no máximo R$ 1,7 bilhão com o programa em 2024.

Continua depois da publicidade

Pelo texto aprovado na Câmara e no Senado, o valor poderá ser ampliado por meio de decreto caso haja espaço no Orçamento.