Lula minimiza meta de déficit zero em 2024: “se não der para fazer, ótimo”

Em entrevista, Lula também cita exemplos de países endividados ao redor do mundo e diz não gostar que discussão fiscal apareça

Marcos Mortari

(Reprodução/Canal Gov)

Publicidade

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a relativizar, nesta quinta-feira (8), um possível descumprimento da meta de zerar o déficit primário em 2024. Em entrevista concedida à Rádio Itatiaia, de Minas Gerais, o mandatário disse que não gosta quando a discussão sobre o assunto aparece e que não há problema se o equilíbrio fiscal não for atingido, conforme prevê a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano.

“Essa é uma discussão que às vezes aparece e eu não gosto que ela apareça”, admitiu. “Você gasta quanto você arrecada. Se aumentar a arrecadação, a gente tem mais dinheiro para gastar. Se diminuir a arrecadação, você vai diminuir o que tem que investir. Essa é a lógica. É uma lógica que vale para a sua casa na família, é uma lógica que vale para a prefeitura e que vale para o governo federal”, defendeu.

Logo na sequência, no entanto, ele fez sinalização no sentido oposto, relativizando o objetivo estabelecido pela sua própria administração. “Nós temos o Orçamento, que foi previsto e que foi dito que vamos fazer tanto de investimento. Se der para fazer superávit zero, ótimo, se não der, ótimo também”, pontuou.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

E citou exemplos ao redor do mundo de países mais endividados do que o Brasil. “Eu lembro que, nos Estados Unidos, a dívida em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) chegou a 120%. No Japão, chegou a 200%, e as economias continuam. Na Itália, chega a 170%, e as coisas continuam”, prosseguiu o presidente.

As declarações retomam afirmação feita por Lula quatro meses atrás, quando, em café com jornalistas, ele pontuou que a meta fiscal de 2024 não precisava ser zero e que o objetivo dificilmente será alcançado. “Tudo que a gente puder fazer para cumprir a meta fiscal a gente vai fazer. O que eu posso dizer é que ela não precisa ser zero, a gente não precisa disso. Eu não vou estabelecer uma meta fiscal que me obrigue a começar o ano fazendo corte de bilhões nas obras que são prioritárias para este país”, disse no evento.

A fala que aprofundou disputas entre alas em seu próprio governo, com uma queda de braço entre os ministros da Fazenda, Fernando Haddad (PT), e da Casa Civil, Rui Costa (PT). O primeiro round foi vencido pelo primeiro, com a decisão de Lula de não patrocinar uma mudança na meta de déficit zero durante a tramitação do PLDO no Congresso Nacional, diante da repercussão negativa dos rumores no mercado e de entendimento aplicado pela equipe econômica para o novo marco fiscal que limitava a dimensão dos possíveis bloqueios no Orçamento.

Continua depois da publicidade

Ainda assim, no mercado, a avaliação é que as discussões sobre o assunto no governo devem retornar em algum momento ao longo do ano, quando a necessidade de bloqueios se mostrar inadiável − o que pode abrir caminho para um debate sobre a mudança da meta fiscal durante a própria execução, em movimento que dependeria do aval do Poder Legislativo.

O cumprimento da meta de equilibrar as contas públicas neste ano é objeto de ceticismo entre agentes econômicos e políticos. O relatório Focus, levantamento semanal realizado pelo Banco Central com o mercado, mostra que a mediana das projeções dos economistas consultados está em um déficit de 0,8% do PIB − marca que supera em 0,55 ponto percentual o limite de tolerância previsto no novo marco fiscal.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Marcos Mortari

Responsável pela cobertura de política do InfoMoney, coordena o levantamento Barômetro do Poder, apresenta o programa Conexão Brasília e o podcast Frequência Política.