Lula encerra primeiro ano de governo com 36% de avaliações positivas, diz pesquisa

Números repetem, em alguma medida, fotografia observada nas eleições de 2022, indicando que quadro de cristalização da opinião pública e polarização política persiste

Marcos Mortari

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concede entrevista coletiva durante viagem oficial à África do Sul (Foto: Ricardo Stuckert/PR)

Publicidade

Prestes a completar 1 ano desde seu retorno ao Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem uma gestão avaliada positivamente por pouco mais de 1 em cada 3 eleitores brasileiros.

É o que mostra a mais recente rodada da pesquisa Genial/Quaest, divulgada nesta quarta-feira (20). Segundo o levantamento, 36% da população com idade para votar considera a atual administração “ótima” ou “boa”.

O resultado representa uma oscilação negativa de 2 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, realizada em outubro. Ele também representa a pior marca de Lula em seu terceiro mandato, empatando com o desempenho de abril.

Continua depois da publicidade

Apesar disso, a distância é de apenas 6 p.p. para a melhor marca desta gestão − o que pode ser um indicativo da persistência do quadro de cristalização da opinião pública em um ambiente político ainda polarizado e com espaço limitado para grandes flutuações, repetindo também em parte a fotografia das eleições de 2022.

O levantamento também mostra que as avaliações negativas do governo Lula ficaram em 29% − mesmo patamar de outubro e abril, na marca mais elevada do terceiro mandato. Já os que consideram a gestão “regular” somam 32% dos entrevistados.

Entre os subgrupos, o único em que houve uma oscilação ascendente das avaliações positivas foi na faixa de eleitores do Nordeste (de 48% para 50%). O movimento, porém, se deu dentro do limite da margem de erro estimada pela pesquisa, de 2,2 p.p..

Já as maiores variações negativas foram entre o público do Sul (35% para 30%) e do Sudeste (34% para 30%), com idade de 16 a 34 anos (de 33% para 29%) e com Ensino Superior incompleto ou mais (de 30% para 27%).

No cômputo geral, a nota que o governo Lula recebe ao final de seu primeiro ano é de 5,7. E a grande maioria dos eleitores não se arrepende de seu voto: 88%. As notas mais elevadas do petista foram dadas por eleitores do Nordeste (6,9), com 60 anos ou mais (6,6), renda familiar mensal de até 2 salários mínimos (6,5) e religião católica (6,2).

Já as notas mais baixas foram registradas entre os evangélicos (5,2), com renda familiar mensal superior a 5 salários mínimos (5,2), das regiões Sul (5,2) e Sudeste (5,3), e com idade entre 16 e 34 anos (5,5).

A pesquisa mostra que Lula termina o primeiro ano de seu novo mandato presidencial com o país dividido. Segundo o levantamento, 54% dos eleitores aprovam sua administração, enquanto 43% desaprovam. Os números são praticamente os mesmos da última edição divulgada (54% contra 42%, respectivamente).

O estudo também quis saber como os brasileiros veem o governo Lula no que se refere à polarização que tomou conta do país desde a eleição presidencial. E constatou que, na opinião de 58%, o governo Lula contribuiu para dividir o país, contra 35% que avaliam o contrário, que o petista contribuiu para a união.

A pesquisa Genial/Quaest ouviu 2.012 eleitores entre os dias 14 e 18 de dezembro. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas conduzidas face a face, através da aplicação de questionários estruturados.

O nível de confiança do levantamento é de 95% − o que significa dizer que, se ele tivesse sido realizado mais de uma vez dentro das mesmas condições e período de coleta, esta seria a probabilidade de o resultado se repetir dentro do limite da margem de erro, que é de 2,2 pontos percentuais.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Marcos Mortari

Responsável pela cobertura de política do InfoMoney, coordena o levantamento Barômetro do Poder, apresenta o programa Conexão Brasília e o podcast Frequência Política.