Entrevista para Veja

“Lula comandava esquema de corrupção e Dilma sabia de tudo”, diz Delcídio à revista

"Eu errei ao participar de uma operação destinada a calar uma testemunha, mas errei a mando do Lula", afirmou o senador para a Veja

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em entrevista à revista Veja deste final de semana, o senador Delcídio do Amaral (sem partido – MS) afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comandava o esquema de corrupção da Petrobras e que a presidente Dilma Rousseff “sabia de tudo”. Segundo ele, juntos, tramaram para sabotar as investigações.

Eu errei ao participar de uma operação destinada a calar uma testemunha [Nestor Cerveró], mas errei a mando do Lula. Ele e a presidente Dilma é que tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com a divulgação das conversas gravadas entre os dois. O Lula negociou diretamente com as bancadas as indicações para as diretorias da Petrobras e tinha pleno conhecimento do uso que os partidos faziam das diretorias, principalmente no que diz respeito ao financiamento de campanhas. O Lula comandava o esquema”, afirmou.

Segundo ele, Dilma herdou e se beneficiou diretamente do esquema de corrupção por meio do financiamento de campanhas eleitorais. “A Dilma também sabia de tudo. A diferença é que ela fingia não ter nada a ver com o caso”, disse o senador, atualmente em prisão domiciliar. Delcídio afirmou ainda que Lula tentou unir os três poderes “contra as arbitrariedades da Lava-Jato” em meados do ano passado, por julgar que o juiz Sérgio Moro tinha “sequestrado o País”. Porém, essa tentativa fracassou.

Aprenda a investir na bolsa

O ex-ministro da Justiça e agora advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, segundo o senador, repassava informações privilegiadas a Dilma, e que Cardozo soube com antecedência da condução coercitiva de Lula, alertando os interessados. “Foi por isso que ele (Cardozo) vazou um dia antes trechos da minha delação premiada”; E o governo continua a agir nos bastidores, diz o senador. Isso explicaria o fato de o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, não ter sido preso após o vazamento de áudios no qual indica oferecer ajuda financeira ao senador para evitar uma delação premiada.

O senador conta ainda que foi às ruas para no domingo (13) para participar dos protestos da Avenida Paulista pelo impeachment dde Dilma; ele afirmou ter ido de moto ao evento e se juntado à multidão sem tirar o capacete, com medo de ser hostilizado pelos participantes.

Especiais InfoMoney:

As novidades na Carteira InfoMoney para março

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa