Ibama concede licença para construção da hidrelétrica de Belo Monte com 40 condições

Segundo o ministro do Meio Ambeinte, Carlos Minc, R$ 1,5 bilhão deve ser investido para mitigar impactos ambientais

SÃO PAULO – O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) concedeu nesta segunda-feira (1) a licença prévia para a construção da hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA). Contudo, as obras só serão permitidas na região após o cumprimento de 40 condições previstas no documento.

De acordo com o ministro do Meio Ambiente , Carlos Minc, R$ 1,5 bilhão deverá ser investido para mitigar os impactos ambientais e sociais que a região sofrerá com a vinda de contingente que trabalhará na obra, segundo prevê a licença. A usina de Belo Monte era um dos desafios apontados por Minc para sua gestão como ministro.

“Belo Monte tem simbolismo muito forte, é a maior obra do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), a mais polêmica, é a terceira hidrelétrica do mundo, gera polêmica há mais de 20 anos”, avaliou Minc. Belo Monte terá a segunda maior potência instalada do País, de 11 mil megawatts, atrás apenas da hidrelétrica de Itaipu.

PUBLICIDADE

Vale destacar que a emissão da licença prévia autoriza o Ministério de Minas e Energia a marcar a data do leilão da usina, que será realizado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Além disso, essa foi a primeira das três licenças que fazem parte do processo de licenciamento ambiental. As outras duas licenças serão obtidas após o cumprimento das condições previstas.

Conforme o projeto inicial, a usina de Belo Monte deveria entrar em operação em 2014, mas por conta do atraso no processo de obtenção da licença prévia, o início das operações também deve ser adiado.