Operação Lava Jato

Histórico de Moro sinaliza quando decisão sobre Lula no “caso triplex” deve sair

A tendência é que, se a defesa não conseguir protelar o processo por meio de recursos, ela não demore de sair e ocorra até julho, diz a Folha de S. Paulo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última quarta-feira, o juiz Sérgio Moro definiu na última segunda os prazos para as alegações finais. A defesa do petista deve apresentar as alegações finais no processo até o dia 20 de junho. 

O ex-presidente é réu na ação em que é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões em propina por conta de três contratos entre a OAS e a Petrobras. O Ministério Público Federal alega que os valores foram repassados a Lula por meio da reforma de um apartamento no Guarujá e do pagamento do armazenamento de bens de Lula, como presentes recebidos no período em que era presidente. O ex-presidente é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Lula nega as acusações.

Após o dia 20 de junho, Moro decidirá se condena ou absolve o ex-presidente da acusação. E, conforme aponta a Folha de S. Paulo, não há prazo para que a decisão seja tomada. Porém, a tendência é que, se a defesa não conseguir protelar o processo por meio de recursos, ela não demore de sair e ocorra até julho, diz a publicação. 

Aprenda a investir na bolsa

Conforme aponta o jornal, a maioria das sentenças de Moro na Lava Jato foram divulgadas menos de um mês após a apresentação da última alegação –de um total de 28, 13 foram publicadas em até dez dias. Atualmente, quatro ações ainda aguardam decisão, mas todas envolvem réus já condenados na operação.

A velocidade com que Moro decide os processos chegou a ser questionada por advogados, como no caso da defesa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No caso do ex-parlamentar, as alegações foram protocoladas na noite de uma segunda e a decisão tomada na manhã da quinta. O caso de Cunha, no entanto, não é o mais rápido do juiz, ressalta o jornal. A ação que condenou o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, por exemplo, foi decidida um dia após a última alegação ser juntada.