Guerra cambial domina G20, mas analistas veem poucas chances de progresso

Encontro deve ser marcado por embate entre EUA e China; temor é quanto a uma escalada do protecionismo no mundo

SÃO PAULO – A reunião de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G20 teve início nesta sexta-feira (22) na cidade de Gyeongju, na Coreia do Sul. O encontro deve ser dominado por discussões acerca da “guerra cambial”. Mas para analistas, pouco progresso deve ser conquistado.

Presentes na reunião – uma espécie de prévia do encontro entre os presidentes do G-20, já agendada para ocorrer no dia 11 de novembro na capital sul-coreana de Seul -, estão importantes figuras como Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos EUA, e membros da equipe econômica do governo chinês. Guido Mantega, ministro da Fazenda do Brasil, não estará presente no evento.

As pressões sobre o encontro são muitas. Um clima de escalada de tensões toma conta do ambiente de câmbio internacional e “as políticas monetárias ao redor do globo têm se tornando cada vez mais desconexas”, diz a equipe do Barclays. Apesar da importância do tema, paira no ar “a incômoda sensação de que há muito pouco para se fazer”, alertam os analistas da Gradual Corretora.

PUBLICIDADE

Carta de Geithner
Nesta manhã, os EUA divulgaram uma carta, assinada por Geithner, na qual pedem que os países com superávits ou déficits muito grandes promovam medidas para reequilibrá-los – a sugestão é de que os saldos positivos ou negativos nas contas correntes não correspondam a mais que 4% de seu PIB (Produto Interno Bruto) correspondente. A China, por exemplo, possui um superávit de 4,7% em relação ao PIB, e segundo projeções do FMI (Fundo Monetário Internacional), a fatia deve subir para 7,8% em 2015.

Paralelamente, a declaração norte-americana também trouxe outra demanda à mesa de discussões: o fim das “políticas cambiais competitivas”. Em uma clara insinuação à política chinesa, Geithner critica a manutenção de taxas de câmbio artificialmente desvalorizadas, que segundo ele, “sustentam as atuais distorções no panorama econômico global”.

EUA x China
A carta apresentada por Geithner nesta manhã pode ser interpretada como uma prévia do que será o G-20: um embate entre os EUA e a China. Diversos membros do governo norte-americano vieram à mídia nos últimos dias para criticar a política cambial chinesa, que mantém o yuan desvalorizado a fim de estimular suas exportações e “obter vantagem no comércio internacional”.

Desde junho, quando o país concordou em implantar uma gradual valorização em sua moeda, estima-se que o yuan tenha subido apenas 2%, o que segundo críticos, está muito longe de ser o ideal, equivalente ao crescimento econômico chinês. Mesmo diante de alguns problemas, como a alta da inflação, o governo de Pequim tem preferido adotar medidas de aperto monetário, elevando taxas de juros, a mexer no câmbio, despertando a ira internacional.

Mas toda situação tem seu outro lado da moeda. Os chineses contra-argumentam as críticas norte-americanas, afirmando que a principal causa das distorções econômicas no mundo vem, na verdade, de sua política monetária. Para eles, os baixíssimos juros do país, com a Fed Funds Rate próxima a zero há anos, e medidas como aquisição de títulos no mercado promovem um excesso de liquidez de moeda no mundo e uma preocupante desvalorização do dólar.

“Para mim, o que mais desestabiliza o câmbio mundial é o dólar, é a desvalorização do dólar, muito mais do que a valorização chinesa” – tal afirmação, ao contrário do que se possa pensar, não foi proferida por algum membro do governo chinês, mas sim por Guido Mantega. E embora o yuan desvalorizado também receba suas críticas no mercado, muitos analistas concordam que a política do Fed é a principal responsável pelas distorções cambiais.

PUBLICIDADE

Pouco espaço para manobra
Entretanto, é quase consenso também que os EUA não têm muita opção. “Há pouco espaço para manobra. O que está enfraquecendo o dólar é sua política monetária expansionista, que inunda o mundo com sua moeda. Para reverter esse cenário, seria necessário alterar essa política, e isso seria no mínimo desastroso, tanto para os EUA quanto para o resto do planeta”, afirma André Perfeito, economista da Gradual.

Em sua visão, caso o Federal Reserve promova um aperto monetário – o que é bastante improvável -, um novo ciclo de desaceleração econômica severa seria iniciado no mundo, com a economia norte-americana podendo voltar ao quadro de recessão. “A Europa, em meio a severas disputas fiscais, seria tragada para o fundo do poço, tornando insustentável a situação dos países mais frágeis daquela região”, diz a equipe.

A visão da Gradual é compartilhada pelos analistas do Société Générale. “O setor externo, por exclusão, é o único meio pelo qual os EUA podem atualmente estimular sua economia. Entretanto, mesmo com o dólar em queda, o país não tem conseguido reverter seus déficits comerciais”, observa a equipe do banco de investimentos.

Mundo descordenado
O impasse entre EUA e China tem gerado uma fragmentação entre as políticas econômicas promovidas ao redor do mundo. Não que as tensões entre os dois países sejam novas – pelo contrário -, mas o excesso de liquidez gerado, entre outros fatores, pelo baixo juro norte-americano, começa a impactar países emergentes com sistemas de câmbio flutuantes – entre eles, o Brasil.

“Atualmente, cada bloco econômico vem perseguindo seus próprios objetivos monetários e cambiais, sem se preocupar com as implicações globais. Os EUA estão prestes a implementar uma nova rodada de flexibilização quantitativa; membros do BCE (Banco Central Europeu) começam a pressionar por um aperto; a China eleva seus juros ao invés de permitir a valorização do yuan; e, por fim, países emergentes vêm elevando barreiras contra a enxurrada de moeda que vêm vivenciando em seus mercados”, diz a equipe do Barclays.

Uma maior coordenação entre os países parece ser o principal objetivo deste encontro do G-20. Mas as perspectivas são bastante frágeis. “Todos os ministros presentes agora na Coreia concordam quanto à necessidade de um maior equilíbrio na economia global. O que eles não concordam é quem deve ficar com o trabalho pesado”, comenta o Société.

Para a Gradual, o principal risco é que “a desvalorização do dólar acione medidas protecionistas, fazendo o atual momento se degenerar em uma guerra comercial, com atuação no câmbio e barreiras comerciais. Os ministros reunidos sabem que, se isso, ocorrer, o resultado final será desastroso para todas as economias do planeta”.