Guaíba recua e volta a ficar abaixo da “cota de inundação” em Porto Alegre

Na manhã desta terça-feira (4), por volta das 5h15, o nível das águas do lago Guaíba era de 3,5 metros; a nova “cota de inundação” é de 3,6 metros

Fábio Matos

Vista aérea da orla do lago Guaíba, em Porto Alegre (RS) (Foto: Reprodução/RBS TV)

Publicidade

Após um repique causado por fortes chuvas e ventos desde a madrugada de segunda-feira (3), o nível das águas do lago Guaíba, em Porto Alegre (RS), recuou e está novamente abaixo da chamada “cota de inundação”, trazendo alívio à população da capital gaúcha e às autoridades municipais e estaduais.

À meia-noite de segunda, o patamar do lago estava em 3,43 metros, o mais baixo em 1 mês. Por volta das 7 horas, de acordo com medição da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), o Guaíba marcava 3,86 metros. No início da noite, o lago apontava 3,59 metros.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

Na manhã desta terça-feira (4), por volta das 5h15, o nível do Guaíba era de 3,5 metros. A nova “cota de inundação” é de 3,6 metros.

O pico histórico do Guaíba foi registrado no início do mês, quando o lago bateu 5,33 metros.

De acordo com relatório do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), o vento que soprava do sul bateu 50 quilômetros por hora, prejudicando o escoamento das águas do Guaíba em direção à Lagoa dos Patos.

Continua depois da publicidade

“A principal preocupação do momento é como será a descida e redução abaixo da cota de inundação e a variação devido ao efeito dos ventos”, afirma o comunicado do IPH.

Nas últimas 24 horas, a chuva em Porto Alegre alcançou 16,4 milímetros, segundo medição realizada na estação da Usina do Gasômetro. Vários bairros da capital gaúcha voltaram a registrar pontos de alagamento.

A Estação Rodoviária, no centro histórico da cidade, também encheu – o local está desativado desde o início do mês.
De acordo com boletim da Defesa Civil do estado, o total de mortes desde o início das enchentes, no fim de abril, é de 172. Há 43 pessoas desaparecidas, 806 feridas e 617,9 mil fora de suas casas.

Continua depois da publicidade

Até aqui, 473 dos 497 municípios do Rio Grande do Sul foram atingidos pelas enchentes.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”