FMI pede combate ao avanço inflacionário e estima petróleo em alta e volátil

No encontro do G-8, Dominique Strauss-Kahn disse que confiança dos mercados financeiros segue "extremamente frágil"

SÃO PAULO – No encontro anual do G-8, grupo formado pelas sete economias mais desenvolvidas do mundo mais a Rússia, Dominique Strauss-Kahn, dirigente do FMI (Fundo Monetário Internacional), alertou os líderes presentes acerca da alta da inflação em âmbito global.

Em pronunciamento realizado em Hokkaido, no Japão, onde ocorre a reunião do grupo, Strauss-Kahn disse que o combate à alta dos preços deve ser prioridade nas decisões de política monetária, visando que a disparada nos preços de alimentos e combustíveis não resulte em inflação generalizada.

Petróleo em alta e volátil

Para o dirigente do FMI, os preços do petróleo devem seguir em alta e apresentando volatilidade ainda por algum tempo, uma vez que neste mercado, oferta e demanda não respondem rapidamente a elevações de preço.

PUBLICIDADE

Ainda nas palavras de Strauss-Kahn, a valorização de 70% da commodity, acumulada desde o início do ano, vem reduzindo o poder de compra nos países dependentes da importação do produto, o que pode resultar em redução na demanda global pelo óleo entre 75 e 100 pontos-base.

Juro real negativo é risco

O chairman do Fundo Monetário Internacional disse que diversas economias desenvolvidas têm acertado na política de combater os níveis de inflação acima do anteriormente estimado, contudo, em alguns países emergentes as taxas de juro real (descontado da inflação) estão baixas ou até mesmo negativas, o que na visão de Strauss-Kahn, representa risco.

O dirigente atribui o fenômeno ao fato de alimentos e combustíveis representarem maior peso na cesta de bens de consumo nestas economias. Contudo, há indícios de que a alta nos preços destes produtos está ‘contaminando’ demais bens, o que pode espraiar a maior pressão inflacionária, até então mais concentrada em alimentos e combustíveis, para demais itens.

Como se espera que a disparada nos preços dos produtos alimentícios e derivados de petróleo demande uma reação tanto no lado da demanda quanto na oferta, Strauss-Kahn avalia que a inflação deve penalizar o crescimento econômico dada a ampliação das expectativas inflacionárias.

Estresse no mercado financeiro

O dirigente do FMI acredita que os mercados financeiros seguem envoltos em estresse. “A confiança do mercado permanece extremamente frágil”, disse no encontro do G-8 em Hokkaido.

Strauss-Kahn pondera que os investidores retomaram a confiança nos bancos centrais e suas ações visando combater riscos sistêmicos, contudo, a ainda presente necessidade das instituições financeiras em levantar capital sugere que as condições de crédito devem seguir pressionadas.

A orientação do FMI é que as autoridades monitorem de perto os mercados, atentas e dispostas a oferecer suporte a eventuais problemas apresentados por instituições financeiras, ou necessidade de cobrir débitos.