RADAR INFOMONEY Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Entrevista exclusiva

“Estão atirando na pessoa errada”, diz Belluzzo sobre Mantega

Um dos economistas mais influentes nos governos Lula e Dilma, Luiz Gonzaga Belluzzo defende a gestão Mantega e diz que falta interlocução política para destravar os investimentos

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

(SÃO PAULO) – Ao longo das últimas décadas, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo aproximou-se de vários partidos políticos. Foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda (no governo do peemedebista José Sarney), é amigo do tucano José Serra, tornou-se um dos conselheiros econômicos mais ouvidos (e quase presidente do Banco Central) na gestão Lula e continua gozando de grande influência sobre a equipe de Dilma. Na economia, ao contrário, Belluzzo só tem um lado: o desenvolvimentismo. A também economista Maria da Conceição Tavares já chegou a descrevê-lo como um “heterodoxo convicto e radical”. As crenças do professor

da Unicamp e ex-presidente do Palmeiras não se abalaram em nada com o crescimento fraco da economia nos últimos dois anos, um período em que a ortodoxia andou em baixa na Fazenda.Para Belluzzo, o ministro Guido Mantega acerta ao adotar a flutuação suja do câmbio e metas menos rígidas para a inflação e o superávit primário. Ele admite que o crescimento fraco de 2012 foi gerado pela demora do governo em perceber que a expansão econômica passaria a depender menos do consumo e mais dos investimentos. Mas afirma que o principal problema é a falta coordenação política para negociar com empresários uma taxa de retorno adequada que desfaça o nó da infraestrutura. Para ele, o Brasil crescerá entre 2% e 3% neste ano “se o governo for rápido” em destravar os investimentos. Leia a seguir trechos* da entrevista exclusiva:

INFOMONEY – Por que a economia brasileira tem demorado tanto a se recuperar?

Aprenda a investir na bolsa

LUIZ GONZAGA BELLUZZO – Desde 2011, venho escrevendo que a desaceleração iria ocorrer. Até 2008, o país vinha em uma trajetória de crescimento muito rápido do consumo e do investimento. Com a crise, o governo tomou as medidas adequadas e impediu que houvesse uma desaceleração prolongada por aqui. Depois veio o crescimento de 7,5% em 2010, que foi excepcional. À medida que foi se esgotando o ciclo de consumo, no entanto, a economia perdeu força. É natural. Uma mesma família não vai comprar três geladeiras nem cinco automóveis em um espaço de tempo tão curto

IM – O governo já entendeu isso?

LGB – Há um problema de coordenação dentro do governo para cuidar da infraestrutura. Mas esse não é um problema do Ministério da Fazenda, estão atirando na pessoa errada. É preciso criar uma espécie de grupo executivo para negociar as condições das concessões e acompanhar as obras.

IM – Falta no governo Dilma alguém que seja o que a própria Dilma foi no governo Lula?

LGB – Quando a Dilma coordenava os projetos do governo Lula, a coisa andava direito. Como agora ela virou presidente, alguém precisa fazer essa coordenação com o empresariado e também com o Congresso. Não dá para destravar os investimentos de forma unilateral.

IM – As ministras Gleisi Hoffmann [Casa Civil) e Ideli Salvatti [Relações Institucionais] não deveriam assumir esse papel?

PUBLICIDADE

LGB – Não acho que elas estejam fazendo isso. O José Múcio Monteiro [ex-ministro das Relações Institucionais] fez muito bem essa articulação do governo Lula com a Câmara e o Senado. Em relação aos empresários, por que a própria Dilma tem chamado pessoalmente eles para conversar? Acho que é para dar ao setor privado um sinal de que ela quer ouvi-los. O governo Lula fazia muito isso. O governo Dilma também precisa disso, a coisa não anda de forma automática.

*A entrevista completa está disponível na revista InfoMoney que está nas bancas. Para assinar a revista, clique aqui.