Ruptura

Esquerda em pé de guerra: PSTU convoca trabalhadores pelo impeachment de Dilma

Para ex-candidato à presidência Zé Maria, atual gestão de Dilma Rousseff cometeu "o maior estelionato (eleitoral) da história", ao fazer o mesmo que dizia que seria feito pela oposição se ganhasse

SÃO PAULO – Há um aprofundamento, em nível e velocidade, da crise na economia maior do que o governo do PT esperava. A avaliação do ex-candidato à presidência da República pelo PSTU, José Maria de Almeida, deixa mais explícito um processo de incômodo de parte da própria esquerda com a atual gestão de Dilma Rousseff. Para o político, o agravamento do cenário adverso para o governo coincide com um conjunto de ataques desencadeados aos direitos dos trabalhadores sem precedentes.

“É o maior estelionato da história. Ela, que, na campanha eleitoral, disse que o candidato do PSDB atacaria os trabalhadores se ganhasse as eleições, está fazendo isso”, afirmou Zé Maria em vídeo divulgado na página do PSTU. “Os ataques que o governo Dilma tem feito ao nível de vida, aos direitos dos trabalhadores, aos serviços públicos – veja o tamanho da greve do funcionalismo federal que temos no país neste momento -, combinados com a profusão de denúncias de corrupção envolvendo autoridades do governo, fizeram com que a aprovação popular da presidenta virasse pó. Ele perdeu sua base de sustentação no interior da classe trabalhadora e da população brasileira, porque mentiu”, complementou.

É neste contexto que o ex-candidato defende que organizações ligadas aos direitos dos trabalhadores abandonem o discurso de que o afastamento de Dilma seria golpismo e embarquem em um processo de ruptura com o governo. “Qual é a razão de um golpe? Eu não vejo um golpe sendo preparado. O que vejo é um governo do PT, em aliança com o empresariado, atacando os direitos da classe trabalhadora”, atacou. Durante a entrevista, Zé Maria fez duras críticas às posições de organizações mais ligadas ao PT, como a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). “Como defender os direitos dos trabalhadores defendendo a manutenção desse governo de como ele está? Não há como sequer lutar contra a direita sem romper e enfrentar o governo do PT”, disse.

PUBLICIDADE

Na avaliação do líder do PSTU, o que deveria ser feito por essas organizações é o rompimento imediato com o governo e a ajuda pela unificação de um processo de mobilização através da convocação de uma greve geral “para derrotar efetivamente o ajuste fiscal e o governo do PT”. “Não há como acender uma vela para Deus, outra pro diabo”, disse em referência à sua tese de ser impossível defender os trabalhadores e o atual governo simultaneamente – posição não consensual nas alas da esquerda do país. Segundo ele, as leis aprovadas para a alteração de direitos trabalhistas e previdenciários (MP 664/2014 e MP 665/2014) mostram um suposto alinhamento de Dilma com conceitos mais ligados à direita. O político ainda cita os nomes de Joaquim Levy, Kátia Abreu, Renan Calheiros e Fernando Collor de Mello para a mesma argumentação.

Confira o vídeo na íntegra: