Entrevista ao El País

“Em vez de comer carne todos os dias, pois um dia vão comer arroz”, diz Lula sobre os pobres

Ex-presidente afirmou em entrevista não temer que voltem à pobreza aqueles que saíram dela durante o seu governo e voltou a falar que pode concorrer a uma nova eleição em 2018

SÃO PAULO – Em entrevista ao jornal “El País”, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, anunciado no início do mês pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tornou-se “um processo de vingança contra o PT”.

Ele voltou a falar que pode concorrer a uma nova eleição em 2018 caso surja um nome com perspectiva de “derrotar o projeto exitoso” do PT. Porém, afirmou, o ideal seria que aparecesse dentro do PT ou de algum outro partido um candidato com condições de “fazer o Brasil continuar avançando”.

Ao falar sobre a atual crise econômica que atinge o Brasil, Lula afirmou não temer que voltem à pobreza aqueles que saíram dela durante o seu governo. “Não voltarão. Em vez de comer carne todos os dias, pois um dia vão comer arroz, por assim dizer. Isso é passageiro.” 

PUBLICIDADE

Ele ainda falou sobre os dados de emprego: “chegamos a 4,3% desemprego em dezembro de 2014 que foi o menor desemprego da história desse país. Agora nós estamos com sete, sete e pouco por cento desemprego”. 

Sobre a rejeição ao PT, Lula afirmou que a queda do partido “não significou a subida do PSDB, nem subida do PMDB, nem de qualquer partido político. As pessoas saíram, deixaram de dizer que gostam do PT, mas podem voltar a gostar do PT. Todos nós achamos que o PT precisa mudar. O PT precisa evoluir”.

E questiona, fazendo referência ao partido espanhol PSOE: “Você há de convir que o PSOE de hoje não é mais o PSOE de 30 anos atrás. É de perguntar o que seria o Brasil sem a presença do PT?”

Lula ainda afirmou que não se arrepende de ter escolhido Dilma como sua sucessora. “Era a melhor candidata e acho que ela vai fazer aquilo que tem que ser feito no Brasil. A Dilma é uma mulher extraordinária, de muito caráter, muito séria. E a dificuldade que a gente está sentindo agora não pode ser debitada nas costas dela”, ressaltou. 

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir: